Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

15 de maio

Em defesa da educação, 6 mil pessoas ocupam ruas e praças de Foz

Movimento unificado reuniu estudantes(as), professores(as), técnicos(as), agentes e funcionários(as) de universidades e escolas públicas.

A cidade de Foz do Iguaçu integrou a agenda de manifestações da Greve Nacional da Educação, nesta quarta-feira, 15. Cerca de 6 mil estudantes, professores(as), técnicos(as), agentes e funcionários(as) de universidades e escolas públicas da cidade e da região participaram do movimento.

Organizado pela Unidade Sindical e Popular de Foz do Iguaçu e coletivos estudantis, o protesto reuniu as comunidades acadêmicas da Unila, IFPR, Unioeste, UTFPR, servidores(as) e alunos(as) das redes estadual e municipal. Integrantes de movimentos sociais também fortaleceram o ato, considerado uma preparação para a greve geral marcada para 14 de junho.

A concentração foi no início da tarde, no Terminal de Transporte Urbano (TTU). Servidores(as) e alunos(as) produziram cartazes, faixas e distribuíram informativos. Universitários(as) apresentaram trabalhos de pesquisa e extensão produzidos nas instituições de ensino e que beneficiam a população.

“Baque Mulher”, grupo de arte e resistência

Em seguida, ainda no TTU, ocorreu ato público de denúncia à redução dos recursos para universidades e institutos federais, e de oposição ao projeto da reforma da Previdência. Educadores(as) da rede estadual cobraram do Governo do Paraná a pauta de direitos trabalhistas e investimentos na escola pública.

A organização estima que perto de 6 mil pessoas participaram do ato público em Foz.
(Fotos: Marcos Labanca)

Clique aqui para ver como foram
as manifestações em outras cidades do País

Profissionais da educação e estudantes seguiram em passeata pela Avenida Jk, até a Praça da Paz, no centro da cidade. Representantes de servidores(as) e estudantes se revezaram ao microfone, defendendo as pautas do movimento. A manifestação teve intervenções artísticas e culturais.

“Esse é o ‘esquenta’ da greve geral que vai parar Foz do Iguaçu e o Brasil”, disse Cátia Castro, presidente da APP-Sindicato/Foz. “Construímos uma unidade importante aqui na cidade, entre estudantes e trabalhadores(as), para enfrentar esse governo [federal]do retrocesso, para dizer não ao corte de verbas e todas as medidas que atacam a educação”, apontou.

_____________________
Assessoria APP

Arquivos

Categorias

Meta