Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

26 de agosto, Dia Internacional da Igualdade Feminina

Luta pela igualdade da mulher é celebrada em 26 de agosto. Data se destina à reflexão sobre as transformações vividas pela sociedade ao longo dos anos e principalmente na importância decisiva do movimento feminista.

 

Celebra-se o Dia Internacional da Igualdade Feminina, em alusão à Declaração dos Direitos da Pessoa e da Cidadania a 26 de Agosto de 1789, na França. Neste data, posteriormente, também se passou a comemorar as conquistas das mulheres na luta por condições de igualdade entre gêneros.

Com o movimento feminista as mulheres alcançaram muitas vitórias ao longo das últimas décadas, como o direito ao voto, a entrada no mercado de trabalho, no ensino, e na vida política. Mas o caminho para a completa igualdade é longo e demorado. Se a velocidade das mudanças não aumentar, a projeção de que uma equiparação de direitos levaria quase um século ainda, de acordo com o Global Gap Report 2020 do Fórum Econômico Mundial, que há 14 anos compara 153 países no seu progresso em direção à igualdade de gênero em quatro dimensões: participação e oportunidade econômicas, desempenho educacional, saúde e sobrevivência, e participação política.

De forma geral e comprovado cientificamente, as mulheres têm níveis de escolaridade mais elevados, têm o dom de fazer mais de uma tarefa ao mesmo tempo, são ensinadas desde pequenas à realizarem tarefas domésticas, são mais organizadas e estão chefiando famílias, cada vez mais, no Brasil. Mesmo diante de tantas qualidades, ainda há uma grande diferença imposta na sociedade, em cargos de evidência e também em cargos políticos.

Conforme dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres continuam sendo desvalorizadas no local de trabalho, ganhando financeiramente, menos que os homens e ocupando os mesmos cargos. É por esse motivo e, tantos outros, que é necessário ter dias dedicados a igualdade feminina.

Caminho trilhado

Ainda que estejamos longe de uma equidade de direitos e oportunidades entre os gêneros, a luta das mulheres produziu efeitos importantes na vida contemporânea. Veja oito mudanças conquistadas no Brasil pelo feminismo!

Estamos mais do que acostumadas a ver salas de aula com um número equilibrado entre homens e mulheres, mas nem sempre foi assim. No Brasil, mulheres só puderam frequentar a escola básica a partir de 1927. E nas universidades um menor desequilíbrio só aconteceu mais de 50 anos depois, em 1979.

Trabalho
Quem aí já ouviu a frase Girls Just Wanna Be CEO? Foi uma longa luta para que mulheres tivessem a possibilidade de decidir se queriam ou não ser donas de casa. De acordo com o Código Civil de 1916, a mulher só poderia trabalhar fora caso o marido lhe concedesse autorização. Foi só em 1943 que, segundo a Consolidação das Leis Trabalhistas, isso mudou.

Licença-maternidade
Sabia que até 1934 esse direito não existia? Foi nesse ano em que a Constituição previu que as mulheres ficariam sem trabalhar um mês antes e um mês depois de nascer o bebê. Além disso, a demissão de grávidas passou a ser proibida. Em 1988, o período se estendeu para 120 dias.

Voto
Um dos grandes motivos para a luta do feminismo foi o direito ao voto, que no Brasil só foi autorizado em 1932. Em 1934, a primeira representante política do gênero feminino foi eleita no país: Carlota Pereira de Queiroz.

Casamento
Desde 1916, com aprovação do Código Civil, só o homem era responsável pela família e o casamento poderia ser anulado pelo marido caso descobrisse que a esposa não era virgem. A família da noiva também poderia deserdá-la. Essas regras mudaram apenas em 2002.

Divórcio
Em 1977, o divórcio passou a ser permitido por lei. Até então, o casal só poderia se separar em casos de traição, tentativa de morte ou abandono do lar.

Anticoncepcional
Em 1962, o Brasil começou a vender anticoncepcionais. A mudança possibilitou que elas pudessem se relacionar sexualmente com mais parceiros.

Violência contra a mulher
A primeira Delegacia da Mulher foi criada em 1985. Em 2006, surgiu a Lei Maria da Penha, com mecanismo para punições em caso de violência doméstica.

LEIA TAMBÉM:
https://www.geledes.org.br/pandemia-prejudica-mais-as-mulheres-e-pode-aumentar-desigualdade-de-genero-alerta-fundo-monetario/

LEIA TAMBÉM:
https://www.geledes.org.br/e-considerado-normal-100-mil-pessoas-morrerem-e-a-maioria-ser-pobre-negra-do-nordeste-da-periferia-do-norte-indigena/

Das páginas Geledés e Otempo

Arquivos

Categorias

Meta