Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Acampamento do MST realiza intercâmbio com artistas do hip hop de Londrina

Ação contou com a participação de jovens de quatro comunidades do MST do Norte do estado

(Fotos: Coletivo de Comunicação do Norte do PR)

 

Na última semana de outubro, uma “ocupação muralista” foi realizada no acampamento Zilda Arns, em Florestópolis, região norte do Paraná. A atividade contou com a presença dos artistas Tadeu Roberto Fernandes, o Carão, reconhecido grafiteiro no estado do Paraná, e Leandro “Palmerah”, membro do grupo de rap “Família IML”, ambos de Londrina.

Uma das paredes da Escola Itinerante Semeando o Saber foi escolhida pela comunidade para ser presenteada com uma linda pintura do grafiteiro londrinense. O dia dedicado à cultura fez parte da oficina de comunicação e mídia Sem Terra, realizada entre os dias 23 e 25 de outubro pelos Coletivos de Comunicação dos acampamentos Fidel Castro (Centenário do Sul), Manoel Jacinto Correia (Florestópolis), Herdeiros da Luta de Porecatu (Porecatu) e Zilda Arns (Florestópolis).

 

 

Estou muito feliz em poder deixar meu trabalho aqui. É uma forma de aprender com vocês e com essa coletividade. O MST é um movimento que sempre respeitei, desde pequeno”, disse Carão, que realizou seu primeiro trabalho com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) durante uma visita ao assentamento Eli Vive, em Londrina.

Ao longo de toda a sua jornada como artista, seu trabalho é dedicado à valorização do povo negro. “Eu sempre retrato o povo preto, percebo que somos um povo subjugado e colocado em segundo plano, mesmo sendo a maioria. Sempre falam do preto subjugando e falando que a gente é perigoso, e a gente não é. A gente é o que a gente quiser”, relata o artista. O longo do dia de trabalho, o grafiteiro ocupou a parede da escola com a pintura de uma criança ao lado da bandeira do Movimento.

Respeitando as normas de segurança frente à pandemia da Covid-19, o encontro contou com 25 jovens Sem Terra. Ainda no domingo, a juventude também homenageou Paulo Freire e a artista mexicana Frida Kahlo com outras pinturas na Escola Itinerante.

Jaber Wladmir Marçal de Oliveira, morador do acampamento Zilda Arns e integrante do Coletivo de Juventude e Comunicação, conta qual o objetivo da atividade: “A gente sempre tenta resgatar a cultura e tenta trazer a arte de rua e a cultura mais para dentro dos acampamentos. Isso vai abrir várias portas, não só para o embelezamento da comunidade, mas podendo levar para todos os outros acampamentos a arte e a cultura do Hip Hop”.

Assessoria MST

Arquivos

Categorias

Meta