Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Ação solidária

Em época de coronavírus, solidariedade contagia moradores de Foz. Uma corrente do bem auxilia idosos e quem precisa de ajuda

*Por Denise Paro

Em meio ao caos, eis que surge o olhar para o outro. Em Foz do Iguaçu, jovens mobilizam-se nas redes sociais para ajudar idosos. E a corrente de solidariedade não para por aí. Um morador colocou em um ponto de ônibus uma sacola com máscaras para usuários que dependem do transporte.

A solidariedade é um vírus do bem que está contagiando os jovens. A cada dia surgem mais voluntários nas redes sociais. Uma delas é a peruana Jhomelin Milagros Flores Bordais, 30 anos, que veio para Foz cursar mestrado em Políticas Públicas e Desenvolvimento na Universidade Federal da Integração Latino-Americana – UNILA e já concluiu o curso. Enfermeira, ela diz ter se motivado pelo amor ao próximo. “Ver tanta gente sem saber o que fazer nessa situação, sobretudo as pessoas em risco. Parei e pensei, eu sou da saúde e posso contribuir”, conta.

Ela já ajudou um vizinho idoso que precisa de alguém para injetar insulina e fez um curativo em um colega da UNILA que caiu de bicicleta, evitando que os dois precisassem ir ao posto de saúde. Com previsão de voltar para o Peru em breve, Jhomelin diz que só tem a agradecer ao povo de Foz do Iguaçu que a acolheu.

Outro jovem que decidiu engrossar a corrente do bem é Ricardo Brzozowski, 22 anos, repórter e produtor. Ele fez um post no facebook se disponibilizando para fazer compras para idosos. A decisão foi tomada depois que ele foi a uma farmácia do centro com amigos e viu uma senhora pedindo álcool gel. O atendente disse que a farmácia não tinha o produto e Ricardo notou a decepção da senhora. “Por mais que ali, naquele momento eu não pudesse ajudá-la fiquei pensando em alguma forma de tentar ao menos fazer a minha parte para quem mais precisa”.

Após ir à farmácia, Ricardo soube por um colega de trabalho que no prédio dele moradores haviam colocado plaquinhas para se disponibilizar para ações voluntárias e decidiu aderir a corrente do bem. A atitude de Ricardo inspirou amigos deles de outras cidades.

Em outra iniciativa, sacolas com máscaras foram deixadas em alguns pontos de ônibus por um morador. Empresário, ele preferiu não se identificar porque já recebeu críticas de algumas pessoas, mas também elogios.

Apesar da solidariedade, nas redes sociais também há alertas. Há muita gente má intencionada aproveitando-se da situação. Por isso, é preciso ficar atento quanto a possíveis golpes.

________________________
Da página H2Foz / Texto: Denise Paro

Arquivos

Categorias

Meta