Água que ama a Terra

 

  –  Um poema de Perla  –

agua-carla

(numa manhã fria depois de vir da horta – 10/2016) 

Às vezes é conexão a primeira vista,

Cuido, rego, adubo,

espero o tempo dar o fruto.

Se a Terra foi muito maltratada,

por aquelas que não souberam seu valor.

É compreensível que ela demore mais

pra se reconhecer como parte desse andor.

É uma relação misteriosa.

Onde as energias se encontram e se conectam,

                       em meio a tantas redes de alta tensão.

Dei atenção especial a esta Terra.

Dediquei muito Amor a Ela.

Percebi porque mesmo tão perto,

                        não havíamos nos percebido antes.

Não estávamos maduras para cuidar desse Amor.

Eu Água, que já fui tão poluída,

                            assim como a Terra maltratada,

Compreendo essa dor que contamina,

a flor violeta que mil vezes foi despetalada.

Junto com as estrelas que iluminam nosso céu,

e os astros que compõe a nossa história,

Produzimos a vida para o mundo.

A Terra é distinta em cada lugar.

As sementes que brotam aqui, não brotam acolá.

Tão pouco, somos únicas para nossa existência.

Há outros elementos que compõe a nossa missão.

Mas se há um motivo de minha presença,

                                                que não me deixa secar.

É a esperança que os humanos compreendam,

                                                 a nossa relação secular.

Em cada gota que me derramo sobre a Terra,

                                                  os astros param…

para sentir tamanha explosão.

Os humanos falam de Big Bang.

Mas a vida começou neste encontro.

(Perla)


Perla é heterônimo de  estudante de Antropologia e professora do ensino fundamental em Foz do Iguaçu, Pr.
 

Arquivos

Categorias

Meta