Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Ao povo equatoriano com amor…

Um texto de Fran Rebelatto

Tela do pintor equatoriano
Oswaldo Guayasamin
(conheça mais em https://www.wikiart.org/pt/oswaldo-guayasamin )

Há 7 anos quando fui aprovada no concurso público Federal para ser professora na Unila passei horas profundamente emocionada vendo um vídeo que o Rafael Gomes e Besna (Yacovenco) fizeram sobre o golpe contra Fernando Lugo no Paraguai. Sabia que as mazelas do nosso continente eram muito mais profundas do que podemos imaginar e que na Unila eu teria grandes companheiros/as estudantes para compreender melhor nosso continente.

Emocionada por ter tomado a decisão de estar na Unila, que significaria mergulhar na consciência política necessária para entender a América Latina, naquele momento entendi que precisaria viajar todos os países da América Latina e do Caribe para falar com suas gentes, mergulhar em seus rincões e sempre que possível ser recebida por algum/a estudante da Unila e seus familiares. Faria isso em 10 anos. Nos últimos 7 anos consegui viajar grande parte destes países, ainda me faltam alguns rincões do Caribe.

E o Equador foi um destes países na qual consegui ficar um tempo viajando naquele pequeno/grande território. Em Quito me indignei com a quantidade de ouro encravado nas paredes das igrejas católicas, em Otavalo – nas suas ruas em que tudo se troca e se vende-, me emocionei com os longos cabelos negros de suas gentes, peguei um pequeno ônibus para subir as montanhas e encontrar os lagos que um dia foram vulcões, troquei comida e palavreados com mulheres e homens indígenas que subiam de volta às montanhas. Vi a agricultura daquelas ribanceiras, almocei na casa de indígenas nos pequenos povoados, lá onde o frio bate nos ossos. Conheci o Equador negro ao cruzar por Esmeralda, ao ir até a Isla Portete onde um dia naufragou um navio de escravos (a caminho do Haiti) e a partir daí o litoral equatoriano também se misturou com a África. Desde Guayaquil era possível ver as impressões daquele país que também tem classes sociais bem demarcadas. Fui à Galapagos me impressionar com a imensidão da natureza. Viajei num pequeno ônibus por ribanceiras outras até Cuenca. Passei o carnaval entre os desfiles nas ruas de comunidades indígenas do interior que são felizes nesta grande festa popular que nos atravessa. Fui até Baños e me lancei num balanço sobre um antigo vulcão. Viajei mais, senti o calor amazônico. Tudo ali é sangue indígena correndo nas veias…

De todos os países que fui, sempre digo que o Equador É um pequeno grande país que ignoramos, mas que agora nos dá uma grande lição de que para o capital só somos mais um pedaço de terra a ser usurpada pelos interesses internacionais. Se para eles o sangue indígena que corre agora no solo de Quito é só mais uns números ignorados, para nós este sangue tem que ser o adubo que fortalece nossas lutas.

Por fim, quando entrei na Unila entendi rapidamente que mais do que ter dominio completo sobre a área de cinema, eu tinha que entender profundamente das dores e amores da América Latina e do Caribe. Não me arrependo desta escolha. Venho aprendendo com o cinema, mas especialmente com a América Latina: esse continente sem pernas, mas que caminha.

Foi lá no Equador que conheci, por fim, o trabalho do pintor equatoriano Oswaldo Guayasamin que já na tela derramava as lágrimas de sangue dos/as trabalhadores/as!

Leia também “Breves crônicas cotidianas”, de Fran Rebelatto:

_________________________
Fran Rebelatto, brasileira, é professora de Cinema na Unila, em Foz do Iguaçu, Pr.

Arquivos

Categorias

Meta