Árabe na Unila

  –  Projeto recebe inscrição para curso de língua e cultura árabe até 30 de abril  –


O projeto de extensão “Árabe, Arabismo e Islamismo na Tríplice Fronteira” recebe inscrições até o dia 30 de abril para o curso de língua árabe – as inscrições devem ser realizadas pelo Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA). No total, são 60 vagas a toda comunidade, e as aulas são gratuitas. O projeto visa abrir um espaço de diálogo intercultural por meio da oferta do curso intermediário e avançado de oralidade e escrita árabe, além de palestras e encontros temáticos sobre a cultura árabe e muçulmana. O projeto é uma ação conjunta com a Sociedade Beneficente Islâmica de Foz do Iguaçu.

Mamadou Diallo, docente do curso de Relações Internacionais

“O projeto busca articular extensão, ensino e pesquisa com intuito de entender os processos que resultaram na presença de árabes e muçulmanos na região. Também busca pensar a diversidade cultural da região a partir de processos históricos de formação de Estado, de conflitos, cooperação e integração do Oriente Médio atual, além de, principalmente, refletir sobre a importância geopolítica da região para as relações internacionais contemporâneas”, contextualiza o coordenador do projeto, Mamadou Diallo, docente do curso de Relações Internacionais e Integração da UNILA.
Leitura e produção de texto e trocas culturais, além de encontros e debates, compõem as atividades do curso. “O debate em torno dessas temáticas é muito importante para a região, porque permite a desmistificação dos vários preconceitos e pré-julgamentos recíprocos entre a comunidade árabe e muçulmana e os moradores da Tríplice Fronteira. Além disso, esse debate permite mostrar a importância da UNILA para a região”, coloca o professor Mamadou.
Ele também lembra a relevância desse diálogo, a partir de eventos de amplitude mais global, a exemplo da suspeita de que a presença maciça da população árabe e muçulmana no país seja uma ameaça à segurança regional e mundial, principalmente após o atentado de 11 de setembro, em 2001, nos Estados Unidos. “Portanto, esses debates são muito relevantes para dar resposta a essas falsas especulações, que podem ser muito negativas para todos os moradores da região”, coloca.
Núcleo Árabe
A UNILA está em processo de formação de um Núcleo Árabe que contemple ações de extensão, pesquisa e ensino, uma demanda que partiu da própria comunidade da região. As aproximações com a comunidade árabe da região trinacional também são frutos de outros projetos da UNILA, como o de ensino de língua portuguesa para estrangeiros – inclusive para a comunidade árabe -, coordenado pela professora de Línguas da UNILA Francisca Paula Maia, que trabalha a partir da perspectiva sociolinguística.
Francisca Paula Maia, professora da Unila

“A língua e a linguagem são um todo. A sociolinguística traz uma visão ampla e vê o ser humano em comunidades, a partir de um contexto histórico. Ela respeita as especificidades, dialoga com a alteridade e trabalha a partir de aspectos culturais, filosóficos, sociológicos e antropológicos”, coloca a docente, que é coordenadora adjunta do projeto de extensão “Árabe, Arabismo e Islamismo na Tríplice Fronteira”.
As aproximações e o diálogo com a comunidade árabe também resultaram em pesquisas e trabalhos de conclusão de curso, a exemplo de um estudo sobre mulheres árabes de Foz do iguaçu, da graduada em Antropologia – Diversidade Cultural Latino-Americana Gabriela Blanco, que realizou estudo com foco na identidade e na ação política desse grupo. Na UNILA, estudos sobre o Oriente Médio também estão inseridos em linhas de pesquisa como Política Internacional na Tríplice Fronteira e Geopolítica e Território na Tríplice Fronteira
_________________________
Assessoria Unila

Arquivos

Categorias

Meta