Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Cãoterapia em Foz

Carinho animal que ajuda pessoas. Com 50 voluntários e cãoterapeutas, Dr. Patinhas realiza terapias de graça a pacientes no Hospital Municipal, no Lar dos Velhinhos e em outras instituições.

Voluntárias e caõterapeutas em mais um “plantão (Foto: divulgação)

A interação entre seres humanos e animais com o objetivo terapêutico é antiga. Atualmente, as técnicas modernas da Terapia Assistida por Animais (TAA) ganham cada vez mais espaço no apoio a pessoas em tratamento médico ou psicológico, ou entre àquelas que necessitam de um pouco de afeto e atenção.

Essa é a proposta dos voluntários do Dr. Patinhas, projeto criado em Foz do Iguaçu há cerca de cinco anos e que está tornando-se uma ONG, com a constituição formal da ideia. A psicóloga e coordenadora da iniciativa, Amanda Braz Ramirez, e a voluntária Mirella Valentina falaram sobre esse trabalho no programa Marco Zero, do H2FOZ e Rádio Clube FM.

Clique para assistir à entrevista:

O grupo realiza terapias gratuitas semanais a pacientes do Hospital Municipal Padre Germano Lauck, aos idosos do Lar do Velhinhos e às mulheres atendidas no Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM). O espaço SER recebe visitas mensais.

“É uma terapia que utiliza os animais como ferramenta, modelo ou reforço. É uma terapia para pessoas que utiliza o contato humano com o animal”, explica Amanda. Hoje, o projeto Dr. Patinhas usa apenas cães em seus procedimentos.

A coordenadora da ação conta que ela resolveu criar o Dr. Patinha depois que duas gatinhas que adotou a ajudaram a superar suas dificuldades. “Eu passava por problemas familiares; foi quando duas gatinhas que adotei me ajudaram. Essa interação modificou toda a estrutura familiar e auxiliou em minha própria terapia. Então decidi pesquisar mais sobre o tema”, rememora.

Núcleo de voluntários do projeto Dr. Patinhas (Foto: facebook Dr. Patinhas)

A voluntária Mirella Valentina também decidiu entrar para o projeto a partir de uma experiência em que uma familiar sua foi ajudada pelo contato com animal. “Sempre fui apaixonada por animais. Conheci o projeto nas redes sociais e resolvi levar minha cachorra, Petúnia, muito dócil, simpática. Fizemos teste e entramos no projeto”, relata.

O candidato a cãoterapeuta passa por avaliação completa, tanto de seu perfil temperamental quanto de saúde. Ainda é analisado o seu histórico. Se passar na avaliação, o cão recebe um período de adestramento, que é realizado em local aberto para que ele seja testado em meio a todos os estímulos do ambiente social. Só depois do treinamento ele é empregado nas visitas para terapia.

Hoje, o Dr. Patinhas conta com 50 voluntários, além dos cães terapeutas. As pessoas podem ainda realizar atividades voluntárias no projeto sem ter cachorros.

Acesse a página de Dr. Patinhas no facebook. Clique, aqui.

____________________________
Paulo Bogler

Arquivos

Categorias

Meta