“Carrulim” a gosto em tempos de pandemia

Tradição paraguaia aconselha um trago para se enfrentar o mês que inicia. Jeitinho fronteiriço sugere adaptações para segurança da beberagem

Carrulim: Ha pépe ndaipóri la mala onda opytáva.
Tradução livre: Nâo há maré ruim que resista. (Foto: N.Alvaréz)

O carrulim é uma beberagem da qual se toma um trago – ou três e até sete, em versões mais generosas da lenda – no primeiro dia de agosto. Assim, se renova o sangue e se afasta todos os males e azares que o oitavo mês do ano possa trazer consigo. De troco, ainda se pode curar um resfriado e amainar uma gripe sanzonais. O nome da bebida vem das primeira sílabas dos seus ingredientes. Em espanhol, CA (caña) RU (ruda) LIM (limón),

Na fórmula mais tradicional do santo remédio, em primeiro lugar, claro, a fé em si mesmo e uma outra boa dose da mesma fé nos ‘yuyos”. Depois, aguardente branca, galho de arruda e limão. Diga-se de passagem, em pleno inverno, independente do seu uso mais emblemático, pelo menos contra resfriados e gripes, um “carrulim” vai muito bem.

Receita de última hora

Ingredientes para três doses:
  • 1 copo americano de cachaça branca
  • 2/3 de limão (de preferência do rosa ou cravo)
  • 1 punhado pequeno de folhas de arruda
    Num recipiente um pouco maior que o copo, esprema o limão. Acrescente a cachaça e as folhas de arruda. Macete levemente as folhas, apenas para que soltem o perfume.
    Sirva em copos separados.

Claro, há variações a partir do esqueleto da receita original. Dessas, destacamos as que somam guavira pire (casca de pé de guabiroba) e katuáva (sim, aquela velha conhecida planta, usada como energizante em praticamente todo o território por onde andaram guaranis). Segundo os estudiosos, esses dois ingredientes ditos secundários podem dar um sabor mais encorpado enquanto diminuem o cheiro forte da cachaça.

A tradição e os tempos de pandemia

 

O carrulim pode ser tomado individualmente, com um trago ao se deitar, outro ao se levantar e um derradeiro durante o dia. Melhor ficava quando bebido em grupo. Antes da pandemia do coronavírus, um copo ou uma caneca rodava bem entre amigos, parentes e vizinhos, cada um sorvendo um pequeno trago, preparando o físico, aumentando a sorte e aquecendo a solidariedade perante as mazelas do meio do inverno.

Em 2020, infelizmente, os tempos são outros, com um desafio de sobrevivência muito mais delicado do que qualquer desventura que alguém já tenha passado. Então, rigorosamente, o carrulim deve ser tomado individualmente. Cada qual com seu copo, cada qual de preferência no seu quadrado. A amizade, pode apostar, transcende a proximidade física e o compartilhamento da mesma taça, bico a bico. O que importa é o carrulim e a força que ele tem de nos fazer pensar nos outros. Para esta parte da tradição, que é o que importa, tudo continua igual e esperando por nós.


Aos poucos, o ritual do carrulim vem sendo encarado apenas como uma “superstição sem muita propriedade”, principalmente pelo mais jovens. Ainda assim ele continua vivo e ganhando adaptações. Veja que este ano até delivery de carrulim haverá na fronteira, incluindo abastecimento dos adeptos em Foz do Iguaçu. Para quem reconhece no costume popular boa dose de saúde e sapiência, ficam dicas importantes.

A primeira é a de que o evento é uma celebração e moderar no consumo de álcool também neste caso é super recomendado para que desdobramentos ruins possam acontecer.

A segunda é que, para reforçar a mágica do Carrulim, durante agosto e depois dele todos outros meses que vierem,  aconselha-se seguir com a erva-mate e outras plantas medicinais. No chimarrão ou tereré, quente ou frio, não tem como se deixar faltar tarope, vervéna’i, ajenjo, ka’apiky, pyno’i, arruda e jaguarete caá.

Por último, em seguida a qualquer das beberagens, claro, máscara, higiene das mãos, distanciamento social e generosidade com os mais frágeis. Em todos os lugares e momentos que virão. Fazendo-se assim, não há maré feia que resista.

Guatá / com ABC

Arquivos

Categorias

Meta