Cartilha de guerra

  –  Um poema de Bertolt Brecht .
Um cartum de Miran –

Cartilha de guerra alemã

O pintor fala da grande época por vir

As florestas ainda crescem.
Os campos ainda produzem.
As cidades ainda existem.
Os homens ainda respiram.

Quando o pintor fala sobre a paz através dos alto-falantes

Os trabalhadores de construção olham para
As auto-estradas e vêem
Cimento espesso, próprio
Para tanques pesados.

O pintor fala de paz.
Aprumando as costas doloridas
As mãos grossas em tubos de canhões
Os fundidores o escutam.

Os pilotos dos bombardeiros
Desaceleram os motores e ouvem
O pintor falar de paz.

Os madeireiros param no silêncio dos bosques
Os camponeses deixam de lado o arado e colocam a mão atrás do ouvido
As mulheres que levam a comida para o campo se detêm:
No terreno revolvido há um carro com amplificador. De lá se ouve
O pintor pedir paz.

Os de cima dizem: guerra e paz

São de substância diferente
Mas a sua guerra e a sua paz
São como tempestade e vento.

A guerra nasce da sua paz
Como a criança da mãe
Ela tem
Os mesmo traços terríveis.

A sua guerra mata
O que a sua paz
Deixou de resto.

No muro estava escrito com giz:

Eles querem a guerra.
Quem escreveu
Já caiu.

Os de cima

Juntaram-se em uma reunião.
Homem da rua
Deixa de esperança.

Os governos
Assinam pactos de não-agressão.
Homem da rua
Assina teu testamento.

Quando os de cima falam de paz

A gente pequena
Sabe que haverá guerra.

Quando os de cima amaldiçoam a guerra
As ordens de alistamento já estão preenchidas.

A guerra que virá

Não é a primeira. Antes dela
Houve outras guerras.
Quando a última terminou
Havia vencedores e vencidos.
Entre os vencidos o povo miúdo
Sofria fome. Entre os vencedores
Sofria fome o povo miúdo.

Os de cima dizem que no exército

Reina fraternidade.
A verdade disso se percebe
Na cozinha.
Nos corações deve haver
O mesmo ânimo.
Mas nos pratos
Há dois tipos de comida.

No momento de marchar, muitos não sabem

Que seu inimigo marcha à sua frente.
A voz que comanda
É a voz de seu inimigo.
Aquele que fala do inimigo
É ele mesmo o inimigo.

General, teu tanque é um carro poderoso

Ele derruba uma floresta e esmaga cem homens.
Mas tem um defeito:
Precisa de um motorista.

General, teu bombardeio é poderoso.
Ele voe mais veloz que um vendaval e carrega mais carga que um elefante.
Mas tem um defeito:
Precisa de um engenheiro.

General, o homem é muito útil.
Ele pode voar e pode matar.
Mas tem um defeito:
Pode pensar.
________________________________
Bertolt Brecht, poeta, dramaturgo e militante comunista alemão.
Miran, cartunista brasileiro.
_________________________________
Leia também: Imperialismo, a indústria da morte

Arquivos

Categorias

Meta