Cooperativa do MST doa álcool 70% para hospital no Paraná

Presidente da Copavi enfatizou, ainda, o papel decisivo do Estado em meio à pandemia de coronavírus

 

A Cooperativa de Produção Agropecuária Vitória (Copavi), localizada no assentamento Santa Maria, em Paranacity (PR), doou 60 litros de álcool 70% para o Hospital Municipal Doutor Santiago Sagrado Begga. A doação ocorreu logo no início da manhã desta quinta-feira (2), na própria sede do hospital. A entrega foi realizada pelo presidente da Copavi, Jacques Pellenz, para a secretária de Saúde do município, Marisa Ribeiro.

Paranacity tem pouco mais de 11 mil habitantes e não tem casos de coronavírus. No entanto, está a 70 quilômetros de Maringá, onde há cerca de 500 casos suspeitos, 10 confirmados e o registro de duas das três mortes contabilizadas no estado. O álcool será usado pelos profissionais de Saúde do município, que já está em quarentena há cerca de 15 dias

A iniciativa da Copavi ocorreu como forma de se solidarizar a todo o povo da região, que está apreensivo com o avanço do covid-19, e também estimular que outras empresas façam o mesmo.

“Quanto mais prevenirmos o avanço do vírus, melhor. Com essa ação também queremos estimular outras estruturas de produção, muito maiores do que nós, a também fazerem essa contribuição com o setor de Saúde dos municípios”, explicou Jacques Pellenz.

O presidente da cooperativa chamou a atenção, ainda, para o papel dos governos federal e estadual na prevenção da doença e no repasse de apoio financeiro para pessoas que estão sem renda. “É urgente que seja garantida a auto-sustentação das pessoas que estão se privando de trabalhar, por força do avanço da doença. Muitas famílias estão privadas do trabalho e não terão outra alternativa senão essa ajuda urgente do Estado”, destacou.

Conheça a Copavi

Criada há 27 anos, a Copavi atua na produção de alimentos agroecológicos, especialmente com derivados da cana-de-açúcar com marca própria, como açúcar mascavo, melado e cachaça. Inclusive, é para produção da cachaça Camponeses (popularmente conhecida como Camponesa) que a cooperativa utiliza uma destilaria, necessária para a produção do álcool 70. As famílias assentadas também industrializam derivados do leite de vaca, como o queijo e o iogurte, e produzem hortaliças em geral e panificados.

Por Dandara Sturmer / Jornal Brasil de Fato