Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

"Corredor polonês"

Lançamento

Nesta terça (12), os autores Marcelo Dallegrave, Melissa Medroni e Theo Marques vão lançar o livro “Corredor Polonês: Patife Band e a criação da obra-prima esquecida do rock brasileiro” no Gilda Bar e Restaurante na região central de São Paulo. Além da sessão de autógrafos, haverá a abertura da exposição das fotos de Theo Marques feitas para o livro. O evento começa às 19 horas! O livro estará à venda no local.

Sobre o livro:

“Corredor Polonês: Patife Band e a criação da obra-prima esquecida do rock brasileiro” traz os bastidores da gravação do álbum cultuado nos meios musicais. Construído a partir de depoimentos de Paulo Barnabé, Sidney Giovenazzi, André Fonseca, Paulo Mello, Pena Schmidt, Arrigo Barnabé, Clemente e John Ulhoa, entre outros, o livro é uma carta de amor dos autores Marcelo Dallegrave e Melissa Medroni a uma obra única na discografia do rock nacional. O livro traz ainda onze fotos de Theo Marques.

Este é o segundo título da coleção Sound+Vision, na qual autores dissecam seus álbuns favoritos, acompanhados de artistas visuais que apresentam seus olhares sobre as músicas desse mesmo álbum.

A Patif Band

A Patife Band surgiu na agitada década de 80, no circuito alternativo paulista. Seu idealizador é o compositor Paulo Barnabé, que além de irmão e parceiro de Arrigo Barnabé, tem também em seu currículo parcerias com Itamar Assunção. Depois de anos como arranjador e baterista na banda de seu irmão, Sabor de Veneno, Paulo decidiu alçar vôo próprio e o resultado foi meteórico. Em sua trajetória marginal, a Patife Band sacudiu a mesmice vigente na época e um de seus raros discos, Corredor Polonês, é considerado por muitos críticos um dos melhores álbuns do rock brasileiro da década de 80.

O primeiro disco do grupo foi o mini LP, Patife Band, lançado em 1985 pelo selo Lira Paulistana. O disco fez sucesso com uma nova interpretação de um clássico da jovem guarda, Tijolinho, de Wagner Benatti e com uma versão hard core da singela Noite Feliz de Gruber. No ano seguinte, a Patife participou da trilha sonora do Filme Cidade Oculta de Chico Botelho, com Pregador maldito, música que chegou a ser proibida para execução em rádios. Em 87, lançou pela WEA, o conhecido disco Corredor Polonês. Várias músicas deste disco foram regravadas por outros artistas como Cássia Eller e as bandas Ratos de Porão e Pato Fu. (Carta Maior)

LEIA MAIS SOBRE A PATIF BAND EM CARTA MAIOR , CLICANDO AQUI.

___________________
Assessoria e Carta Maior

Arquivos

Categorias

Meta