Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Depois de dois meses, Rio Paraná volta a ser navegável, na Argentina e Paraguai

As barcaças transportando soja já puderam passar pela eclusa da usina binacional Yacyretá, na terça-feira (19).

As primeiras barcaças transpõem a barragem de Yacyretá pela eclusa, rumo aos portos de Buenos Aires e do Uruguai. (Foto: Yaciretá/Paraguai)
H2FOZ – Cláudio Dalla Benetta

 

As primeiras das 150 barcaças paraguaias que vão usar a hidrovia do Rio Paraná para levar soja aos portos de Buenos Aires e do Uruguai começaram a passar nesta terça-feira, 19, pela eclusa da barragem da usina hidrelétrica binacional Yacyretá, que pertence em condomínio à Argentina e ao Paraguai (aos moldes de Itaipu).

A estiagem histórica que afeta as bacias do Rio Paraná, tanto a montante (no Brasil), como a jusante (na Argentina), estava impedindo a navegação normal das barcaças paraguaias havia dois meses, afetando o setor agroexportador do país e pondo em risco a exportação de mais de US$ 1 bilhão, conforme publicou em seu site (na versão paraguaia) a usina Yacyretá.

A situação foi resolvida a partir do momento em que a usina de Itaipu passou a lançar Rio Paraná abaixo a média de 8.500 metros cúbicos de água por segundo, tanto a turbinada (que passa pelas unidades geradoras para produzir energia elétrica) quanto pelo vertedouro, que é a água do reservatório.

Nesta quarta, terceiro dia consecutivo da operação em Itaipu para garantir mais água ao Rio Paraná, a usina liberou uma média de 1.300 metros cúbicos por segundo pelo vertedouro, entre 0h30 e 5h30, segundo a Comunicação Social da empresa.

A operação deve prosseguir por mais nove dias, o que permitirá ao Paraguai transportar aos portos de Buenos Aires e do Uruguai cerca de 200 mil toneladas de soja, que estavam estocadas em depósitos nos portos fluviais e nas próprias barcaças.

Nas belas fotos de Rubens Fraulini, o vertedouro jorrando água Rio Paraná abaixo.

O chefe técnico de Yacyretá, engenheiro Leopoldo Melo, de acordo com a informação publicada no site da usina, lembrou que a operação foi resultado das negociações de uma equipe interinstitucional coordenada pelo vice-ministro de Relações Econômicas e Integração da Chancelaria do Paraguai, Didier Olmedo, e integrada por Yacyretá, Itaipu e vários órgãos do Paraguai, Argentina e Brasil.

Depois deste pedido formal, feito pela Argentina e Paraguai, o Conselho de Administração de Itaipu concordou em flexibilizar o reservatório, com a redução de 2 metros no seu nível, que estava em pouco mais de 219 metros, considerado normal. A operação de Itaipu garante a navegabilidade águas abaixo de Itaipu e permite que Yacyretá também devolva mais água a jusante.

A eclusa só pôde ser acionada depois de dois meses, devido à estiagem. Fotos Yacyretá Paraguay

A eclusa de Yacyretá, que funciona desde 1992, ajuda a superar as quedas rápidas de Apipé, que constituíam um obstáculo para a navegação nesta área do Rio Paraná. Nos últimos anos, a eclusa permitiu, em média, o transporte de 2,5 milhões de toneladas por ano.

A passagem por Yacyretá é gratuita, com uma duração de 45 minutos para cada barcaça atravessar a eclusa.

H2FOZ – Cláudio Dalla Benetta

Arquivos

Categorias

Meta