Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

"Dinos" do Brasil

  –  Livro mapeia os dinossauros que viveram no que é hoje o territorio brasileiro. A obra reúne as pesquisas de Luiz Eduardo Anelli. professor da USP, e de Rodolfo Nogueira, especialista na paleoarte  –

 

Uma viagem no tempo para observar o início da vida e de sua diversidade. E sentir a sensação de mergulhar em um universo ao mesmo tempo fantástico e real, para observar os primeiros seres de um território que centenas de milhões de anos depois receberia o nome “Brasil”. É essa descoberta que o livro O Brasil dos dinossauros, do paleontólogo Luiz Eduardo Anelli e do paleoartista Rodolfo Nogueira propicia. Lançado pela Editora Marte, revela, em suas 132 páginas, paisagens e informações preciosas da nossa tão pouco conhecida e divulgada Pré-História.
A pesquisa de Anelli, professor do Instituto de Geociências da USP, e a habilidade e conhecimento de Nogueira, reconstroem animais, plantas e resgatam a árvore genealógica da vida do País e do planeta. “A vida e a diversidade que dela surgiu é o maior prodígio do universo”, explica o professor. “Nascida nos oceanos primitivos, pavimentou o caminho pelo qual trilhou, evoluindo de minúsculas bactérias até os maiores dinossauros.”
Ao contrário do que muitos imaginam, Anelli ensina que a genealogia da vida comprova que todos os seres vivos estão relacionados. “Temos todos algo em comum, ainda que em uma pequenina sequência de genes pré-históricos guardada em nossas células, e em bactérias nas mais profundas fossas oceânicas, nas plantas, nos protozoários, fungos e todos os animais. Dos ramos dessa grandiosa árvore, não há vida que escape.”
 
Segundo Anelli, os dinossauros não dominaram a fauna logo em seguida à sua origem, pois, na época, já havia grandes e impetuosos animais. “No início, miúdos e delicados, os dinossauros tiveram de aguardar trinta milhões de anos até que a fauna carnívora e herbívora concorrente de grandes arcossauros fosse dizimada por mudanças climáticas, pelo impacto de um asteroide e finalmente por um extenso vulcanismo. Não havia competições. O que estava em falta eram espaços desocupados.”

Anfíbio-crocodilo: paleontólogos brasileiros encontraram fragmentos fósseis no nordeste do Brasil – Foto: Reprodução/O Brasil dos dinossauros – Editora Marte

Anelli vai pontuando a origem e a forma como os dinossauros e o planeta foram evoluindo. Cita a espécie Staurikosaurus como “um remoto bisavô”. “Está entre os primeiros dinossauros reconhecidos no Brasil”, observa. “Eles foram os primeiros artrópodes terrestres a respirar fora da água, e durante os períodos Carbonífero e Permiano, algumas espécies chegaram a quase três metros de comprimento.”
Anelli informa que “é impossível estimar a quantidade de esqueletos que a geologia pôde preservar e enviar ao futuro no interior das rochas”. Segundo ele, bilhões de indivíduos viveram durante a era Mesozóica. “No entanto, esqueletos de uma pequena fração desses animais encontravam o caminho da fossilização e, recuperá-los hoje é um enorme prodígio. No Brasil, encontrar um único osso sequer é quase um milagre”, ressalta.
Pterossauros: os primeiros vertebrados a voar, há 228 milhões de anos – Foto: Reprodução/O Brasil dos dinossauros – Editora Marte

O livro traz uma pesquisa inusitada com as ilustrações que aliam ciência e arte para apresentar uma realidade de há milhões de anos. Anelli, em uma linguagem simples, didática e, ao mesmo tempo, poética, desperta o leitor para uma aventura às margens das planícies do sudoeste do Pangea (continente que existiu entre 200 e 540 milhões de anos, durante a era Paleozoica, há 160 milhões de anos). As imagens de Nogueira detalham a vida e o cotidiano dos dinossauros inseridos em uma paisagem que surpreende pelas cores e detalhes da natureza. Importante destacar também o projeto gráfico com mapas, fichas técnicas, informações que fazem a diferença para a compreensão do leitor. O formato do livro também surpreende – tem 51 centímetros de largura e 24,5 centímetros de altura – e possibilita a inserção de 27 imagens com dinossauros gigantescos.
 

Quem são os autores:

Luiz Eduardo Anelli – O paleontólogo e escritor brasileiro Luiz Eduardo Anelli é conhecido por seus livros de divulgação científica sobre dinossauros brasileiros. Anelli é biólogo graduado pela Universidade Estadual de Londrina em 1989, mestre e doutor em paleontologia pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, onde ministra disciplinas de graduação e pós-graduação desde 1996. Coordena há 20 anos a Oficina de Réplicas do Instituto de Geociências e foi o idealizador e curador da exposição Dinos na Oca e Outros Animais Pré-Históricos, no Parque do Ibirapuera, em 2006, visitada por 550 mil pessoas.
Montou as primeiras réplicas de esqueletos de dinossauros na cidade de São Paulo, incluindo o Allosaurus fragilis (Instituto de Geociências). Em Santo André, montou o esqueleto do Tyrannosaurus rex, o único esqueleto completo do grande predador em exposição permanente na América do Sul. Em São José dos Campos foi responsável pela produção da réplica do nosso maior dinossauros predador, o Oxalaia quilombensis.
Luiz Anelli é um defensor do ensino de paleontologia nas escolas, onde o tema é pouco abordado até mesmo pelas disciplinas nas quais deveria ser assunto, como Biologia e Geografia. Divulgador científico nacional, reitera que a paleontologia foi toda construída sobre a ciência do hemisfério norte e que as escolas precisam conhecer e ensinar a pré-história do Brasil. Considera que a forma como os dinossauros são mostrados no cinema e em brinquedos contribui para a visão equivocada que se tem deles, de seres cruéis e violentos, e muitas vezes considerados um “brinquedo de menino”. Há uma preocupação em seus livros de não mostrar dinossauros de forma violenta e agressiva, mas sim como animais complexos e vibrantes. Anelli também defende que tanto quanto eram maravilhosos, os dinossauros podem nos levar para lugares incríveis do tempo da sua existência em terras brasileiras, e que conhecer a história profunda de um país é a forma mais eficiente de olhar para o futuro.
É autor de uma série de livros sobre dinossauros no Brasil e sobre a pré-história brasileira, dentre eles Dinossauros e outros monstros – uma viagem à pré-história do Brasil. Editora Peirópolis/Edusp, São Paulo, 248p. – finalista do Prêmio Jabuti em 2016; O Guia Completo dos Dinossauros no Brasil, Editora Peirópolis, São Paulo, 222p. – selecionado pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) para a 48º feira de Bolonha, recebeu o selo Altamente Recomendável pela FNLIJ em 2011, foi finalista do 53º Prêmio Jabuti na categoria Ciências Naturais, selecionado para a FDE – Programa Sala de Leitura em 2013; e Dinos no Brasil, Editora Peirópolis, São Paulo, 82p. – recebeu o selo Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) na Categoria Informativo em 2012, recebeu o
Prêmio FNLIJ de melhor Livro Informativo no mesmo ano, selecionado para o Catálogo de Bolonha 2012 / FNLIJ na 49ª Bologna Children’s Book Fair 2012, Categoria Não-ficção, e finalista do Prêmio Jabuti 2012, na Categoria Didático e Paradidático, tendo obtido o 4º lugar. Em 2013, foi selecionado para a FDE – Programa Livros na Sala de Aula. Em 2015, alguns de seus livros sobre dinossauros, escritos em coautoria com Celina Bodenmüller, foram adotados pelo programa Portuguese Dual Language Immersion em escolas bilíngues no estado de Utah, Estados Unidos.
 
Rodolfo Nogueira – É paleoartista graduado em Desenho Industrial pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP. Desenvolveu e publicou uma metodologia científica para reconstituir animais extintos chamada Paleodesign. Possui trabalhos em museus nacionais e em países como Argentina, Espanha, Estados Unidos, Portugal e Alemanha e Geórgia. Com mais de 15 anos de experiência em ilustração artística e 10 em ilustração cientifica, já ministrou diversos cursos e palestras sobre desenhos de observação, ilustração científica e paleoarte a mais de cinco mil pessoas. É autor de ilustrações estampadas em selos postais de circulação nacional, incluindo o Melhor Selo do Ano de 2015 e ilustrador da linha de brinquedosDinossauros do Brasil, da empresa Xalingo S/A, possui ilustrações publicadas em livros didáticos de ensino médio e fundamental, revistas científicas nacionais e internacionais – Plos One, Cretaceous Research, Journal of Vertebrate Paleontology, entre outras – e revistas e jornais de divulgação científica – como Scientific American, Folha de S.Paulo, Superinteressante, Ciência Hoje, BBC, National Geographic. Concedeu entrevistas e participou de diversos programas de rádio e TV, incluindo o Encontro com Fátima Bernardes e Fantástico (Rede Globo) e Artefato (TV UNESP). É detentor de oito prêmios internacionais em concursos de ilustração de animais extintos, entre eles o Prêmio Lanzendorf de Ilustração Científica, em Dallas/EUA em 2015. Participou como jurado em concursos de paleoarte, como o 1° Prêmio Rodolfo Nogueira de Paleoarte. É criador dos personagens da Exposição de Realidade Virtual Dinos do Brasil para o Museu Catavento, em São Paulo. Ilustrador do livro O Brasil dos Dinossauros, da editora Marte. Professor no Projeto Megafauna e criador do design dos espaços do projeto Geoparque Uberaba – Terra dos Dinossauros do Brasil, atualmente está à frente da empresa de design voltada à ilustração científica Prehistoric Factory.

Serviço:
O Brasil dos dinossauros, de Luiz Eduardo Anelli e Rodolfo Nogueira

Lançamento da Editora Marte, com 132 páginas.
Dimensões: formato gigante 51cm X 24,5 cm
Preço médio: 149,00
 
____________________________________
Fontes: Jornal da USP – Cultura – (Por Leila Kiyomura) e Sopa cultural (comentário sobre autores)

Arquivos

Categorias

Meta