E agora, Maria?

  –  Um poema de Adna Rahmeier.
Uma fotografia de Manuella Sampaio  –  

callejera2

E agora, Maria?
O trabalho acabou,
O patrão protelou,
A hora aumentou,
O dia sumiu,
E agora, Maria?
E agora, você?
Você que é burguês
Que móe os outros,
Que faz panelada
Que odeia e não se informa
E agora, Maria?

Está sem marido
Está sem obrigação
Está sem lazer
Já não pode curtir
E nem divertir
Os filhos atolam
O tempo outra vez
Como quem tem que
Provar em 3
Que só é uma
Nessa vez
Não veio a luz
Pra salvar esse mês
A geladeira esfriou
E a TV desligou
E agora, Maria?

E agora, Maria?
Seu olhar deslumbrante
A pele marcante
De cheiro gostoso
Do destempero
Da tua ousadia
Da tua paciência
E da lutaria
E agora, Maria?

Se você desistisse
Assim sonhasse
Esse realizar
Esse mundo
Profundo
Que se esconde
No olhar da medida
Que pesa
Outra vez
Você é orgulho, Maria!

Sozinha na vida
Tal qual Leoa na Mata
Sem receio
Sem luxúria
Para depender
Da falência da cidade
Que surja na coragem
A marcha desnuvenecida
Você marcha, Maria!
Maria, para onde?


Adna Rahmeier é artesã e poeta em Foz do Iguaçu, Pr.
Manuella Sampaio é jornalista e mestranda em Integração da América Latina. 
Poesia e foto publicadas na revista Escrita 45.

Arquivos

Categorias

Meta