Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Educadores denunciam fechamento de turmas em colégios estaduais

Encerramento das classes de alunos resulta em lotação de turmas, sobrecarga e desemprego de professores.

Pelo menos 17 turmas de alunos já foram fechadas em colégios de Foz do Iguaçu e região – Imagem ilustrativa: USP Imagens

 

Pelo menos 17 turmas de alunos já foram fechadas em colégios de Foz do Iguaçu e região, por meio de um processo instituído pela Secretaria de Estado da Educação do Paraná (Seed) chamado de “otimização”. A supressão das classes ocorre com o ano letivo em andamento e as aulas remotas iniciadas ainda em fevereiro.

Esse levantamento foi realizado pela APP-Sindicato/Foz, entidade que representa educadores de nove municípios da região. A extinção das turmas de alunos está sendo conduzida pelo Núcleo Regional de Educação de Foz do Iguaçu (NRE), órgão vinculado à Seed.

Turmas com menos de 25 estudantes são encerradas e agregadas a outras, resultando na lotação das classes. A medida compromete a qualidade da educação, dificultando o ensino e a aprendizagem. Ocorre o aumento do desemprego entre professores com contratos temporários, os PSSs, e os docentes são sobrecarregados de trabalho.

O professor Deni Iuri, do Colégio Estadual Barão do Rio Branco, de Foz do Iguaçu, ficou sabendo que perderia a classe de alunos devido à “otimização” imposta pela Seed e operacionalizada pelo NRE no meio da sua aula remota. “Sem programação, sem aviso prévio, praticamente chutado”, descreveu. “Uma falta de respeito conosco”, completou.

“Como eu continuo a minha aula? Como eu comunico [os alunos] que não estaremos mais juntos, se há cinco minutos estávamos corrigindo trabalhos?”, questionou o educador PSS. “Sinto-me muito desvalorizado e descartável”, desabafou o professor Deni Iuri, sobre a dissolução da turma.

Desorganização pedagógica

“Acontece um efeito dominó”, explicou o diretor da APP-Sindicato/Foz, Silvio Borges. “Turmas são fechadas e outras são lotadas de estudantes, comprometendo a qualidade do ensino. Agrava-se o desemprego entre professores temporários e, devido ao aumento do número de alunos por docente, os profissionais ficam sobrecarregados ainda mais”, denunciou.

Para o sindicato, a “otimização” é um instrumento de desorganização pedagógica e de desmonte do sistema público de ensino. “A turma está montada quando ocorre a ordem para o seu fechamento e a junção com outro grupo escolar. A autonomia das escolas, mais uma vez, é atropelada”, apontou o dirigente sindical.

(APP-Sindicato/Foz)

Arquivos

Categorias

Meta