Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Em campo

Em protesto, Bahia utilizará uniforme sujo de óleo no Brasileirão. Ação política do time ocorrerá em jogo marcado para esta segunda-feira (21) e foi anunciada nas redes sociais

No mar de baixo nível que é o futebol brasileiro, um clube nada de braçada. Ninguém de São Paulo ou do Rio de Janeiro. Tampouco do Rio Grande do Sul ou de Minas. O time mais importante do país para as coisas que realmente importam é o Esporte Clube Bahia, que usará uma camisa suja de óleo em seu próximo jogo como protesto contra o petróleo que toma o litoral nordestino.

A ação, louvável, foi anunciada nas redes sociais do clube, juntamente com o manifesto abaixo:

“SOS Praia”

“O problema é seu. O problema é nosso.

Quem derramou esse óleo? Quem será punido por tamanha irresponsabilidade? Será que esse assunto vai ficar esquecido?

O Bahia é você, somos nós, cada ser humano.

É a forma como representamos o amor, o apego, o chamego, o sagrado, a justiça. O Bahia é a união de um povo que vibra na mesma direção, que respira o mesmo ar e que depende da mesma natureza para existir, para sobreviver.

Jogaremos nesta segunda-feira (21), contra o Ceará, em Pituaçu, com a camisa do Esquadrão manchada de óleo.

Um convite à reflexão: o que faz um ser humano atacar e destruir espaços sagrados? O lucro a qualquer custo pode ser capaz de destruir a ética e as leis que regem e viabilizam a humanidade?

A barbárie deve ser tratada como tal, não como algo natural.”

Na luta – Com projetos como o Núcleo de Ações Afirmativas, associações populares para maior inclusão social, racial e de acessibilidade, posicionamento contra a ditadura e postura ativa em datas como o Dia da Consciência Negra e o Dia Internacional contra a LGBTfobia, o Bahia escapa da curva rasa e de cegueira social do futebol.

O presidente atual, Guilherme Bellintani, assumiu o cargo no começo de 2018 com um desafio claro. “O Bahia era um clube afastado da sua torcida mais raiz, que é de base popular. Temos uma torcida muito forte, mas que sentiu o processo de elitização do consumo e do futebol”, disse recentemente a revista CartaCapital. O resultado pode ser visto quase todos os dias, em ações como a anunciada agora.

Não por acaso, o posicionamento fora de campo influencia o time no gramado. O Bahia faz uma campanha exemplar no concorrido Brasileirão, disputando ponto a ponto uma vaga na Libertadores da América com Grêmio, Inter, São Paulo e Corinthians.

____________________
Da página de Carta Capital

Arquivos

Categorias

Meta