Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Feijão agroecológico produzido pelo MST no Paraná alimenta também a solidariedade

Acampamento Maria Rosa do Contestado é gerido por 130 famílias que produzem de forma coletiva e com sementes crioulas

 

Trabalho coletivizado, sementes crioulas e técnicas de agroecologia. Essa é a forma de produção de agricultores do acampamento Maria Rosa do Contestado, localizado no município de Castro (PR).

Segundo os acampados, essa tem sido uma fórmula de sucesso. A última safra de feijão, por exemplo, rendeu mais de duas toneladas do grão, que foi plantado em uma área de 1 hectare e meio, que corresponde a um campo e meio de futebol. E o melhor, totalmente orgânico.

Vanderlei Vieira é um dos coordenadores do setor de produção da comunidade, ligada ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Ele conta que o ciclo levou 90 dias, e que não foi utilizado nenhum tipo de agrotóxico. Até maquinários de fora foi evitado para não contaminar a produção.

 

“Aqui no momento é só a força da cultura da terra, não estamos com nenhum adubo”
(Vanderlei Vieira, produtor de feijão do acampamento Rosa do Contestado)

 

“Trabalhamos no coletivo, com enxada e com uma carpideira manual que alguns companheiros montaram e fizemos duas limpezas cada safra. Aqui no momento é só a força da cultura da terra, não estamos com nenhum adubo”, enfatiza o coordenador.

A saúde também é outro ganho da produção agroecológica, conta Vanderlei, que trabalhou anteriormente, desde a infância, com lavouras com veneno.

Hoje, ele acredita que a agroecologia lhe concedeu alguns anos a mais de vida.

“E a gente vê que as doenças, o câncer que está matando, é o veneno. Então a gente tá aí nessa luta e vamos seguir em frente”, afirma.

Criado em 2015, o acampamento foi fruto da luta de famílias de trabalhadores organizados pelo MST. Antes uma área pública sem uso social, hoje o terreno é gerido por 130 famílias que vivem da venda de produtos com certificação agroecológica pela Rede Ecovida.

Célio de Oliveira, também coordenador da comunidade, destaca que outro ganho da produção agroecológica é a conquista de autonomia por parte dos trabalhadores.

“Nessa forma de trabalho que a gente adotou, pensando também na qualidade de vida das pessoas. E aqui a gente está falando do feijão, mas a gente planta uma grande variedade de produtos. Mandioca, arroz, hortaliças em geral, para a gente ter essa autonomia. E também para gente não ficar escravo do trabalho, do mercado, do sistema, que tenta tirar nosso tempo, do povo trabalho”, alega Célio.

A importância que os acampados do Maria do Contestado dão à saúde e qualidade de vida, não fica só da porteira para dentro. Tanto que a última colheita foi destinada totalmente à doação.

Leia também:
Pandemia expõe problemas da sociedade que reforma agrária deu soluções há décadas

A iniciativa fez parte de ação de solidariedade do MST com duas outras lavouras coletivas de feijão orgânico: uma no assentamento de Contestado, da Lapa; e outra no acampamento Padre Roque Zimmermann, também de Castro.

No total, foram mais de 8 toneladas do grão colhidos em mutirão e destinados à alimentação dos que sofrem com a fome durante a pandemia.

Liana Franco, agricultora do Contestado e da coordenação estadual do movimento, lembra da importância da solidariedade como prática dos sem-terra.

“Para nós não é qualquer colheita de feijão, para nós tem um significado muito maior, porque esse produto será um alimento para a partilha”.

O feijão será doado a três cozinhas comunitárias de Curitiba e para pessoas em situação de vulnerabilidade na capital e em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná.

Por BDF / Vanessa Nicolav

Arquivos

Categorias

Meta