Festa

 

  –  Um conto de Wander Piroli  –  


Atrás do balcão, o rapaz de cabeça pelada e avental olha o crioulão de roupa limpa remendada, acompanhado de dois meninos de tênis branco, um mais velho e outro mais novo, mas ambos com menos de dez anos.
Os três atravessam o salão, cuidadosa mas resolutamente, e se dirigem para o cômodo dos fundos, onde há seis mesas desertas.
O rapaz de cabeça pelada vai ver o que eles querem. O homem pergunta em quanto fica uma cerveja, dois guaranás e dois pãezinhos.
— Duzentos e vinte.
O preto concentra-se, aritmético, e confirma o pedido.
— Que tal pão com molho? – sugere o rapaz.
— Como?
— Passar o pão no molho da almôndega. Fica muito mais gostoso.
O homem olha para os meninos.
— O preço é o mesmo – informa o rapaz.
— Está certo.
Os três sentam-se numa das mesas, de forma canhestra, como se o estivessem fazendo pela primeira vez na vida.
O rapaz de cabeça pelada traz as bebidas e os copos e em seguida, num pratinho, os dois pães com meia almôndega cada um. O homem e (mais do que ele) os meninos olham para dentro dos pães, enquanto o rapaz cúmplice se retira.
Os meninos aguardam que a mão adulta leve solene o copo de cerveja até a boca, depois cada um prova o seu guaraná e morde o primeiro bocado do pão.
O homem toma a cerveja em pequenos goles, observando criteriosamente o menino mais velho e o menino mais novo absorvidos com o sanduíche e a bebida.
Eles não têm pressa. O grande homem e seus dois meninos. E permanecem para sempre, humanos e indestrutíveis, sentados naquela mesa. (FIM)

______________________________________
Wander Piroli jornalista e escritor brasileiro. (1931-2006). Conto escrito em 1963 e publicado no livro “A Mãe e o Filho da Mãe”, em 1966.

Arquivos

Categorias

Meta