Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Festival de Gramado 2020 anuncia curtas brasileiros selecionados e homenageados

São 14 os filmes classificados entre mais de 400 inscritos.


Cely Farias e Zezita Matos no curta paraibano Remoinho, de Tiago A. Neves. (Foto: Divulgação/Cinema Instantâneo)

A 48ª edição do Festival de Cinema de Gramado, que acontecerá entre os dias 18 e 26 de setembro, de forma on-line por conta da pandemia de Covid-19, acaba de anunciar os curtas brasileiros selecionados e os homenageados com o Troféu Oscarito e o Troféu Eduardo Abelin.

Este ano, serão 14 títulos de oito estados e Distrito Federal escolhidos entre 428 inscritos: Rio de Janeiro com quatro filmes, São Paulo com três, e Alagoas, Amazonas, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Sul, com um título cada. A Comissão de Seleção foi composta pela crítica de cinema, roteirista e jornalista cultural Lorenna Montenegro; pelo consultor, roteirista e diretor Frederico Pinto; pela diretora e roteirista Juliana Antunes; e pela roteirista, diretora e pesquisadora Rosa Miranda.

Sobre o panorama analisado e o trabalho de seleção, Juliana Antunes comenta: “Importante garantir a realização de um festival tão respeitado quanto o de Gramado. A transmissão pela televisão e por streaming alcança quem não iria ao festival e isso é muito importante para realizadores que terão o trabalho divulgado em um ano com tão pouca divulgação. Sobre a seleção, a Comissão pensou em uma cartela de filmes que incluísse mulheres, jovens diretoras e diretores, que fosse diversa, com temáticas e realizadores que fugissem da lógica capitalista e heteronormativa. Olhamos também para trás da tela, para um cinema não tão branco e masculino. Claro, analisando sempre o fazer cinematográfico”, avalia.

Os títulos concorrem em dez categorias e além do disputado kikito, o melhor filme recebe R$ 6.500,00 em dinheiro e os demais R$ 1.000,00 cada. Os curtas brasileiros serão exibidos na grade linear do Canal Brasil e ficarão disponíveis por 24 horas por streaming.

Além dos curtas, a organização do evento divulgou os primeiros homenageados deste ano: dois nomes que fazem história no cinema nacional. O Troféu Eduardo Abelin será entregue para a diretora Laís Bodanzky. Laís dirigiu filmes como o premiado Como Nossos Pais, que recebeu seis kikitos em 2017, e Bicho de Sete Cabeças, de 2000. Atualmente, é diretora-presidente da Spcine. Por mais de dez anos, Laís coordenou projetos sociais de audiovisual como o Tela Brasil, que promove exibição itinerante de filmes nacionais, um programa de educação audiovisual em várias comunidades pelo Brasil e o Tela BR, um curso de educação audiovisual a distância.

Este ano, o Troféu Oscarito, a mais tradicional honraria entregue pelo Festival de Gramado será concedida ao ator, produtor e diretor Marco Nanini. Imortalizado na cultura popular por seus trabalhos na televisão, no cinema e no teatro, Nanini debutou nas telas de cinema no mesmo ano da primeira edição do evento serrano, em 1973, com o longa-metragem As Moças Daquela Hora, de Paulo Porto. Antes, em 1969, já havia atuado em telenovelas e espetáculos teatrais. No currículo, quase uma centena de projetos ao longo dos últimos 50 anos. No ano passado, arrancou elogios da crítica nacional e internacional ao dar vida a personagem Pedro em Greta, do diretor Armando Praça. O filme foi exibido na mostra Panorama do Festival de Berlim e teve sua estreia nacional no Cine Ceará, no qual foi premiado em três categorias, entre elas, melhor ator para Nanini.

Vale lembrar que o 48º Festival de Cinema de Gramado não será presencial. A programação, em formato multiplataforma, será transmitida pela grade linear do Canal Brasil e, também, pelo serviço de streaming. Cada categoria com suas peculiaridades que serão detalhadas quando a programação for divulgada.

 

Conheça os filmes selecionados para a Mostra Competitiva
de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020:

Atordoado, Eu Permaneço Atento, de Henrique Amud e Lucas H. Rossi dos Santos (RJ)
Blackout, de Rossandra Leone (RJ)
Dominique, de Tatiana Issa e Guto Barra (RJ)
Extratos, de Sinai Sganzerla (SP)
Inabitável, de Matheus Farias e Enock Carvalho (PE)
Joãosinho da Goméa – O Rei do Candomblé, de Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra (RJ)
O Barco e o Rio, de Bernardo Ale Abinader (AM)
4 Bilhões de Infinitos, de Marco A. Pereira (MG)
Receita de Caranguejo, de Issis Valenzuela (SP)
Remoinho, de Tiago A. Neves (PB)
Subsolo, de Erica Maradona e Otto Guerra (RS)
Trincheira, de Paulo Silver (AL)
Você tem olhos tristes, de Diogo Leite (SP)
Wander Vi, de Augusto Borges e Nathalya Brum (DF)

Fonte: assessoria

Arquivos

Categorias

Meta