La Parra de los estudiantes

  –  100 anos de Violeta Parra: estudantes conhecem obra da artista chilena. Atividades integram o projeto Tirando de Letra, da Guatá  –

 

Veja um pouco de como foi no Colégio Gustavo Dobrandino:

 

Estudantes e professores dos colégios estaduais Gustavo Dobrandino e Monsenhor Guilherme participaram de atividades culturais em homenagem aos cem anos de Violeta Parra (1917-1967). A programação nas escolas, nesta quarta-feira e quinta-feira (25 e 26), incluiu exposição e rodas de conversa sobre a vida e a obra da artista chilena
No Colégio Gustavo Dobrandino, os estudantes das séries finais do ensino médio participaram de exercício lúdico, que resultou na elaboração de poemas coletivos. Os trabalhos confeccionados no Gustavo Dobrandino foram apresentados e interpretados por alunos e professores do Colégio Monsenhor Guilherme.
As atividades culturais gratuitas nas escolas de Foz do Iguaçu fazem parte das ações itinerantes do Programa Tirando de Letra, mantido pela Associação Guatá. A homenagem a Violeta Parra visa contribuir para a popularização da obra de artistas latino-americanos e valorizar as expressões culturais identitárias dos povos do continente.
A professora Angela da Silva Moreira, parceira da Guatá nas atividades nas escolas, ressaltou a interação proporcionada pela iniciativa. “Nossos alunos ficaram com muitas impressões importantes”, frisou. “Foram momentos para dialogar e se colocar no lugar do outro, entender quem é a pessoa que está próxima de nós, suas origens, histórias e sonhos”, enfatizou.
 
Impressões
O estudante Cristian Gabriel, do Colégio Gustavo Dobrandino, participou da roda de conversa e da produção de poema coletivo. Ele destacou a importância de se conhecer e reconhecer as culturas dos povos e países vizinhos. “Gostei muito, pois as atividades trabalharam com temas culturais de nossas raízes”, disse.
O debate sobre temas que fazem parte do dia a dia e da realidade de cada pessoa, a partir da produção cultural e artística, foi ressaltado pelo estudante Welington Ribeiro. “Gostei pelo fato da programação trazer cultura e fontes que jamais a televisão iria nos mostrar, nos dizer com tanta clareza e realidade”, apontou.
 

Um pouco do que foi no Colégio Monsenho Guilherme:


 
Gracias, Violeta Parra
Sensível, vanguardista, comprometida, intensa, Violeta Parra deu visibilidade às cores, traços e sotaques da rica cultura popular do Chile pela música, poesia, artes plásticas e teatro. A artista nasceu em 04 de outubro de 1917. Deprimida, Violeta Parra suicidou-se aos 49 anos, em 1967, pouco depois de compor Gracias a la vida e Me gustan los estudiantes, duas de suas canções mais conhecidas, que ganharam o mundo.
A criação artística comprometida de Violeta Parra embalou o movimento chamado de “Nova Canção”, contemporâneo da lutas e transformações sociais dos anos 1960. Dele, fizeram parte nomes como Víctor Jara e Quilapayún (Chile), Atahualpa Yupanqui e Mercedes Sosa (Argentina) e Pablo Milanés (Cuba). No Brasil, Milton Nascimento, Elis Regina, Dercio Marques, grupo Tarancón e muitos outros artistas interpretaram canções de Violeta Parra.
Clique aqui para ver mais de Violeta Parra, 100 anos!
__________________________________
Guatá/Paulo Bogler. Fotos: Angela Silva
 
 
 

Arquivos

Categorias

Meta