Lama

  –  Um poema de Úrsula Férras  –


 

Lama
Deixei minhas letras caídas
Os livros, fatos, heróis e datas
Escorridas com minhas pegadas sobre lama
Aqui tudo é chuva e nada
Aqui ninguém vê gente caranguejo
Eu vejo e revejo
Crianças despidas de letras
Despidas do Sempre
Urgentes do Hoje
Cobertas de lama
Sentei – me então com elas
E coloquei – me a versar sobre nossas entranhas.
_________________________________________________________________
Úrsula Férras é historiadora e professora de dança flamenca em Niterói, RJ.

Arquivos

Categorias

Meta