Lélia Gonzalez

Google homenageia a ativista e intelectual negra na data de seu nascimento. Conheça mais da história desta mineira, lutadora brasileira.

Google homenageia a mineira Lélia Gonzalez, ativista e intelectual negra
Ela foi uma das fundadoras do Movimento Negro Unificado contra Discriminação e o Racismo (Foto: Fundação Palmares)

Ativista e intelectual negra, Lélia Gonzalez é a homenageada do Doodle (alteração especial e temporária do logotipo nas páginas iniciais do Google que lembra conquistas e figuras históricas notáveis) deste sábado (01 de fevereiro), que seria o 85º aniversário da mulher que denunciou o racismo e o sexismo como formas de violência contra as mulheres negras.

Homenagem à Lélia Gonzalez na página inicial do Google.

Nascida em Belo Horizonte, em 1° de fevereiro de 1935, Lélia mudou-se para o Rio de Janeiro, onde se formou em história e geografia, fez mestrado em comunicação e doutorado em antropologia política. Durante a carreira, Lélia foi professora em escolas de nível médio, faculdades e universidades, tendo iniciado o primeiro curso de Cultura Negra na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV).

Em 1978, a ativista também foi uma das fundadoras do Movimento Negro Unificado contra Discriminação e o Racismo (MNUCDR), atualmente Movimento Negro Unificado (MNU), principal organização na luta do povo negro no Brasil, além de ter integrado a Assessoria Política do Instituto de Pesquisa das Culturas Negras. Ela também ajudou a fundar o Grupo Nzinga, coletivo de mulheres negras e integrou o conselho consultivo da Diretoria do Departamento Feminino do Granes Quilombo.

O artigo ‘Mulher negra: um retrato’ foi uma de suas primeiras obras publicadas. Na década de 1980, publicou seu primeiro livro “Lugar de negro”, em parceria com o sociólogo Carlos Hasenbalg. Publicou em 1987 o livro “Festas Populares no Brasil”.

A ativista morreu em 10 de julho de 1994.

________________________________
Da página do Jornal Estado de Minas