Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Lima Barreto e a autoestima negra contra a eugenia

Escritor e jornalista carioca completaria 139 anos neste 13 de maio de 2020

.
Artigo de Juca Guimarães, especial para o site “Alma Preta”.

.Em 1881, quando nasceu o grande escritor Lima Barreto, a escravidão era uma vergonha institucionalizada no Brasil. Um cenário que não mudou quase nada nos seus 41 anos de vida. Lima deixou um legado gigantesco na literatura e no jornalismo, um legado marcado pela defesa da negritude e contra a desigualdade social.

A acidez e a força da narrativa de Lima Barreto nas denúncias contra o racismo estrutural, que pouco mudou dos tempos da Monarquia para a era da República, passando por uma abolição inconclusa, formam um poderoso documento de reflexão para situar o racismo nos dias de hoje. Principalmente sobre a eugenia, essa política contínua de desvalorização dos negros e a tentativa de “embranquecer” a sociedade.

Quando penso em Lima Barreto logo vem a imagem do idealismo e de Policarpo Quaresma e a solidão da vida sofrida de Clara dos Anjos, livros que li e reli algumas vezes desde anos 1980.

O lado jornalista de Lima é relevante por conta das incansáveis batalhas que disputou para publicar reportagens contra a desigualdade social e o racismo. É dele a série de textos falando sobre a expulsão da população pobre, na sua maioria negra, do Morro do Castelo, no Rio de Janeiro, para que a prefeitura fizesse o aterro do Flamengo.

O grande ator Hilton Cobra interpretou o escritor na peça “Tragam-me a Cabeça de Lima Barreto”, que está disponível no YouTube. Vale a pena conferir para relembrar e refletir sobre as obras de Lima Barreto na nossa atualidade.

O monólogo traça um duelo entre o escritor e as teorias eugenistas defendidas no Brasil numa pseudo-ciência introduzida no Brasil pelo sanitarista Renato Kehl, amigo do escritor Monteiro Lobato, este simpatizante da seita racista Ku-Klux-Klan, dos Estados Unidos. (*)

A falsa ideia de supremacia da raça branca ainda causa atrasos e absurdos no Brasil do século 21. Ler e entender Lima Barreto é a continuidade de uma luta por uma nação mais justa e evoluída.

_______________________________
(*) NOTA DE EDIÇÃO DA GUATÁ:
Leia também abordagens sobre o racismo e Monteiro Lobato

https://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/professores-debatem-futuro-de-monteiro-lobato-apos-polemica-sobre-racismo-2789225

Sibila: https://sibila.com.br/critica/a-ku-klux-khan-de-monteiro-lobato/4760
http://repositorio.ufjf.br:8080/jspui/bitstream/ufjf/5888/1/josewellingtondesouza.pdf

Arquivos

Categorias

Meta