Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Mais uma batalha que, com sabedoria, iremos vencer!

Por do sol no Lago de Itaipu, em Foz do Iguaçu (Foto: Marcos Labanca)

*Por Flávia Trench

Em algum tempo e de alguma maneira, tudo isto terá findado, mas guardaremos por muito tempo, talvez para sempre, as memórias destes dias. Desde que cheguei a este planeta, minha vida esteve sempre intimamente ligada às mais diversas epidemias.

Nos anos 1970, ainda filhote de gente, atravessei a tenebrosa epidemia de meningite meningocócica, época de escola, de enxergar sem entender muito o terror de todas as pessoas, o medo nos olhos dos meus pais, os coleguinhas que adoeciam e não voltavam, as escolas que serravam suas portas.

Muito mais tarde, já na faculdade de Medicina de Londrina, foi a vez da epidemia de sarampo, trabalhando no HU como interna, tempo de formação.

Na residência médica, nos anos 1990, o princípio da temível epidemia de AIDS – mortal, cruel e reveladora das escolhas sexuais até então vividas em segredo. Uma epidemia que é a total responsável pela opção da minha especialidade na infectologia. Naqueles tempos sombrios aprendi, da forma mais visceral, que todo ser humano é feito de luz e sombra e que sempre existem possibilidades de beleza ainda que no meio da dor e da morte.

Com meus pacientes de AIDS, aprendi o valor do tempo, dos afetos de toda ordem e do poder reparador do perdão e do amor. Foram eles que me deram, sem pedir nada em troca, a noção do que de fato é importante na vida.

Alvorecer no lago de Itaipu (Foto: Marcos Labanca)

Chegando a Foz, já formada, vi com meus olhos de jovem médica mais sarampo, o temor do cólera que nunca chegou entre nós, a raiva canina que erradamente tinham me ensinado estar erradicada no Paraná, malária e a instalação sem trégua da dengue.

Já no novo século participei do combate à gripe H1N1 em 2009, talvez o momento mais difícil da minha carreira, ter de estudar um vírus novo, causador de uma doença antiga, que adquirira capacidades insuspeitas e em vez de matar as vítimas usuais (idosos e imunossuprimidos) inventava de aleatoriamente matar jovens, crianças, gestantes e adultos saudáveis. Tinha tratamento conhecido, mas que deveria ser usado só em casos específicos.

Após ver que tal conduta seria inadequada para evitar agravamentos e mortes, pois o vírus atacava pessoas insuspeitas, a cidade de Foz do Iguaçu, por decisão de toda a equipe técnica envolvida, foi a primeira cidade do país a romper o protocolo do Ministério da Saúde e tratar com o Tamiflu todos os pacientes com síndrome gripal e, a partir desse ato de rebeldia, conseguir acabar com todos os casos graves e óbitos. Nossa rebeldia não foi recebida graciosamente, o Ministério da Saúde só passou a recomendar esse protocolo do uso irrestrito no ano de 2016.

Tudo isso dito e feito, enfrento agora mais um desafio, talvez o maior deles: participar do combate ao novo coronavírus, vindo de Wuhan, China, chamado de SARS-CoV-2 e causador da doença covid-2019.

Um vírus rápido em seu contágio e dispersão, enganador na sua sutileza, pois, apesar de atingir uma faixa etária que é usualmente vítima preferencial dos vírus respiratórios, esse agente tem a capacidade de se introduzir silenciosa e sorrateiramente entre as pessoas para então atacar os vulneráveis a um só tempo, colapsando o sistema de saúde e fazendo a colheita dos seus mortos.

Esse vírus, em sua sanha por se reproduzir e se propagar, bota a nu as mazelas humanas; nossa prepotência, nossa arrogância, nossa mesquinhez, nossa desunião, nossa hipocrisia, nossa ignorância e o quão fina é a nossa capa de civilidade ante o medo e a morte.

Por outro lado, ele igualmente mostra nossa generosidade, o altruísmo, a coragem, a adaptabilidade, o engenho humano, nossa capacidade de união, superação e espírito de grupo. A beleza da ciência, do amor e da fé.

O embate de agora não é contra um vírus, mas a luta sem quartel entre nossos lados de luz e sombra. A vitória ou derrota nessa batalha ocorrerá conforme a porção de nossa condição humana que decidirmos alimentar. Decidam com sabedoria.

Foz do Iguaçu, 20 de março de 2020.

(Retirado do livro O mundo maravilhoso de FT.
Capítulo: Humano Demasiadamente Humano. 1ª edição.)
* Flávia Trench é infectologista em Foz do Iguaçu. Texto publicado originalmente no portal H2Foz

Arquivos

Categorias

Meta