Meu pai e a meritocracia

  –  Uma crônica de Carina Paccola  –  

“Meu pai”, composição de imagens a partir de foto do acervo familiar da autora.
Algumas memórias de infância são muito vívidas para mim. Talvez, as que de fato tenham significado algum aprendizado para a minha vida. Me lembro de, aos 8 ou 9 anos, ter tido o seguinte diálogo com meu pai:
.
– Pai, por que pobre é “ruim”?
.
– Quem disse que pobre é ruim? Tem pobre bom e pobre ruim, assim como tem rico bom e rico ruim!
.
– Não, pai, ruim na escola, não faz tarefa, não acerta as perguntas…
.
– Olhe, aqui em casa tem enciclopédia que pode te ajudar nas tarefas, tem jornal. Muitas vezes, quem é pobre não tem livro em casa, às vezes não tem nem luz elétrica. Então, para essas pessoas é mais difícil estudar. Você tem que oferecer ajuda a esses colegas porque eles não têm o que você tem.
.
E olhe que meu pai nunca foi de esquerda…
.
*********************
.
Acho que eu já tinha então uns 9 ou 10 anos quando apareceu em casa uma mulher com uma criança de colo para pedir roupa e comida. O menino devia ter em torno de 1 aninho porque já estava começando a andar. Ele se chamava Roberto Carlos. Enquanto minha mãe ia preparar as coisas, eu ficava brincando com ele na área da frente de casa. Aquela mulher deve ter ido umas 2 ou 3 vezes. Então eu tive uma ideia.
.
À noite, pedi para meu pai adotar o Roberto Carlos. Expliquei que ele era pobre e que eu gostava de brincar com ele, que eu poderia ajudar a cuidar.
.
Mais uma vez, meu pai foi didático:
.
– Primeiro: por que você acha que a mulher doaria o filho? Não é porque ela é pobre que ela não ama o filho. Segundo: filho não é brinquedo. Não é igual sua boneca que, quando você se cansa, você guarda na caixa ou deixa no quintal. Filho não tem onde guardar, tem que cuidar o tempo todo.
.
Disso ele entendia, tinha 7. Acho que a mulher percebeu minhas intenções para com o Roberto Carlos porque ela nunca mais apareceu.

 
______________________________________
Carina Paccola é jornalista, mestre em Ciências Sociais e artista visual em Londrina, Pr. Texto publicado originalmente no blog “Escarafunchando a vida”, editado pela autora. Reproduzido na revista Escrita 51.

Arquivos

Categorias

Meta