Mi casa, su casa, parte 2

  –  Perto de 500 novos estudantes estrangeiros foram selecionados para a Unila  –

Liz Britos: “Será interessante conhecer também a cultura de outros países, conversando, conhecendo pessoas.” (Fotos: Unila)

 
Eles vieram de longe e estão experimentando os primeiros passos numa realidade totalmente diferente de seu cotidiano e que envolve o encontro com novas culturas, hábitos e processos. Os estudantes de outros países da América Latina começaram a chegar nesta semana para a matrícula presencial nos cursos de graduação da UNILA.
Neste processo de seleção internacional, foram convocados 469 estudantes de 18 países. Também foram convocados 11 haitianos em edital específico.
Muitos estão sendo auxiliados por amigos que já estudam na UNILA, que orientam sobre questões acadêmicas e também sobre questões práticas do dia a dia, como moradia, alimentação e transporte. Foi o que aconteceu com os colombianos Alisson Medina e Christian Pinilla, ambos de Bogotá. Eles esperavam a vez de fazer a matrícula na companhia do veterano Kevin Herrera, de Desenvolvimento Rural e Segurança Alimentar. Foi através de Herrera que eles tiveram as primeiras informações sobre a UNILA, ainda na Colômbia. “Ele nos falou sobre a Universidade. Começamos a ler e buscamos a oportunidade”, comenta Christian, que vai cursar Letras – Artes e Mediação Cultural.
Alisson Medina e Christian Pinilla vieram da Colômbia: entusiasmo

Ele diz que tem muitas expectativas em relação à Universidade e ao curso no qual se matriculou. “Espero viver essa dinâmica entre as culturas da América Latina e que a Universidade nos brinde essa oportunidade”, comenta. Para o estudante, Foz do Iguaçu é uma cidade bonita e tranquila, comparada a Bogotá, onde também não havia condições para entrar numa universidade. “A UNILA nos abre suas portas. Eu queria estudar há muito tempo, mas na Colômbia é difícil encontrar isso.”
Alisson, que começou a pesquisar sobre a UNILA há um ano e vai cursar Antropologia – Diversidade Cultural Latino-Americana, mostra-se muito inspirada com a Universidade. “Descobri que a UNILA tem uma missão muito diferente do que normalmente uma universidade tem na Colômbia. A interação entre culturas que podemos ter aqui é o melhor ensino, a melhor universidade que pode haver”, entusiasma-se.
A diversidade de culturas também foi o que atraiu o chileno Germain Medel, calouro de Relações Internacionais e Integração. “As diferentes culturas são fundamentais em meu curso”, diz.
[box] Programa especial para haitianos –  Além do processo seletivo internacional, a UNILA lançou um edital com oferta de vagas para haitianos residentes no Brasil. Nesta primeira chamada, foram convocados 11 candidatos. Ebenson Ezer Achelus está no Brasil há três anos, morando em Contagem (MG). Agora, está se mudando para Foz do Iguaçu para cursar Ciências Biológicas – Ecologia e Biodiversidade. “Estudar é a melhor oportunidade que o Brasil me ofereceu”, destaca. O novo estudante diz estar “cheio de expectativas”. “Vai ser legal pra mim. Tenho na cabeça que terei dificuldades, para mim é um desafio para atingir.”[/box]
A paraguaia Liz Natália Britos veio da cidade de José Domingos Ocampos (a 85km de Ciudad del Este) para cursar Engenharia Química. Foi através de amigos que ela conheceu a UNILA. “Foi uma surpresa para mim. Estou muito feliz por haverem me aceitado”, comenta. Ela espera nos próximos anos “ser uma profissional, e seria um orgulho para mim ser parte desta universidade”. Ela acredita que, além do conhecimento técnico, conhecer outras culturas será uma boa experiência. “Será interessante conhecer também a cultura de outros países, conversando, conhecendo pessoas.”
 

Clique e leia “Mi casa, su casa (parte 1)

Clique e veja a programação da Calourada 2018 da Unila

________________________________
Fonte: Unila
 

Arquivos

Categorias

Meta