Miséria

  –  Uma crônica poética de Úrsula Férras  –


O cabelo arrumado de qualquer jeito, a roupa arrumada de qualquer jeito e um sorriso bem ensaiado no rosto. Com voz cansada e simpatia ensaiada, ela vende comida na rua. Um cheiro de gordura e sal espalha – se pelo ar quente daquele dia lento. Um dia arrastado, carregado de miseráveis guerreiros mal arrumados, ocupando calçadas com olhos apagados de sonhos.
O céu finalmente desaba em chuva sobre a multidão perdida. Num instante ruas alagadas e correria. A miséria impermeável anestesia sentidos, mantendo o mundo da mulher na multidão tão desarrumado como um pesadelo sem hora para acabar.
_______________________________
Úrsula Férras Peçanha é historiadora e professora de dança flamenco em Niterói, RJ.

Arquivos

Categorias

Meta