Nas asas do livro

  –  Auê de leitura e brincadeiras em escolas municipais.
Guatá levou o Tirando de Letra à Semana Literária da Educação  –  

 

Acima, cenas do “Auê Literário” realizado na Escola Municipal Santa Rita.
Clique aqui e veja fotos do Auê na Escola Municipal Benedicto João Cordeiro
Clique aqui e veja fotos do Auê na Escola Municipal Parigot de Souza
_esc-sta-rita9Em um mundo tecnológico e mecanizado, em que chegou-se a decretar a morte do artefato livro, promover o contato de crianças com a leitura e a criatividade por meio de simples brincadeiras e interações parece ser um ato transgressor.   É a impressão dos participantes programa Tirando de Letra, realizado pela associação Guatá, durante a Semana Literária da Secretaria Municipal de Educação de Foz do Iguaçu.
Foram três dias de trocas e aprendizados entre estudantes, professores e os mediadores de leituras que visitaram as escolas municipais Benedicto João Cordeiro, Parigot de Souza e Santa Rita de Cássia. Cerca de 600 alunos das três instituições participaram de atividades lúdicas e culturais proporcionadas pelo módulo denominado “Auê Literário”.
O comboio cultural reuniu banca de livros, quadrinhos, volantes e adesivos literários, exposições visuais e um conjunto de dinâmicas. Tudo gratuito. Os jogos e minioficinas envolveram cantigas de roda, elaboração de sons tirados do ritmo das palmas das mãos, improviso de chocalhos de latinhas com sementes e tambores alternativos que garantiram a festa poética da criançadas.
Aluno da escola Santa Rita de Cássia, Guilhermo Gonzales, de 11 anos, divertiu-se com os discos em vinis. “O vinil não é do meu tempo, ele é o precursor do CD e agora do pen drive. Nunca vi um vinil tocando ao vivo, mas é um belo objeto de colecionador”, disse o menino.  Enquanto os colegas se divertiam com as cantigas, Guilhermo apreciava, tocava e lia detalhes da coleção de vinis, coisa mesmo de especialista no assunto.
15398968_1336434186378845_1215560532_oCheio de ritmo, Nicholas Machado, de 8 anos, tocou o tambor improvisado, mas a descoberta de que é possível tirar som de tudo que é objeto surpreendeu o menino, que faz aula de bateria. Nesta dinâmica, foi praticado o conceito de ritmo e poesia presentes no dia a dia.  “As crianças incorporaram o espírito da brincadeira e saíram cantarolando as letras das cantigas que conheceram ou relembraram na atividade”, contou a agente cultural da Guatá, Lisete Barbosa.
De acordo com a mediadora de leitura da associação Guatá, Áurea Cunha, buscou-se adequar as atividades ao gosto dos alunos. “O que ficou claro é que a garotada gosta de cortar o silêncio com a sua expressão. Então, por que não um encontro entre o ritmo e a palavra? Esta foi a proposta do Programa Tirando de Letra nestes três dias de atividades para marcar a semana literária no calendário escolar”, explicou.
Ritmo e poesia – O Auê  Literário na escola Parigot de Souza foi no ritmo da poesia e contribuiu para reforçar o trabalho de literatura mantido pelos educadores no plano de aula. Para a professora de artes, Terezinha Dias, as atividades lúdicas desenvolvem o potencial da criança. “Ações como as da Guatá aqui na escola enriquecem e contribuem para o trabalho que fazemos”, destaca.
Para a coordenadora da escola, Viviane Marques, há mais de 20 anos no estabelecimento de ensino, a escola se ressente de não ter mais tempo para o lúdico. A professora aprova as atividade extracurriculares de incentivo a leituras e expressões e destaca a necessidade de mais iniciativas como a da associação Guatá.
“Em ocasiões como essa, podemos avaliar melhor o comportamento e o desenvolvimento dos alunos. Temos um conteúdo programático para vencer e muitas vezes não temos o tempo que gostaríamos para as brincadeiras”, explicou Viviane Marques. “Sabemos que faz falta estes momentos para atividades prazerosas que façam com que as crianças se interessem por vontade própria”, concluiu.
_tl-beneditor-1-boletimBoletim – A Guatá também ofereceu gratuitamente às crianças, folhetos literários e o “Caderno de Férias do Guatazinho”. O caderno contém brincadeiras possíveis de se fazer com a expressão verbal, trava línguas, letras de cantigas de roda, informações básicas sobre haikai e caça palavras. Também compõem o boletim, informações básicas sobre os cuidados para se combater o mosquito aedes aegypti.
Tirando de letra – A iniciativa nas três escolas iguaçuenses foi um desdobramento do programa “Tirando de Letra” executado nas feiras livres de Foz do Iguaçu. Desta feita, com o apoio da Fundação Cultural.
O Tirando de Letra é um programa permanente da associação Guatá, com o objetivo de incentivar o gosto e o hábito pela leitura e a produção de textos. Em mais de dez anos de existência, o programa já ocupou praças, terminais de transporte, escolas e outros logradouros públicos para estimular a leitura e a expressão verbal.
Até meados de dezembro, o projeto realizará intervenções em feiras livres e eventos culturais para a comunidade. Realizado desde 2005, o projeto foi reconhecido pelo Ministério da Cultura como Ponto de Mídia Livre (2011) e como Ponto de Cultura (2013-2015).


Paulo Bogler/Guatá
 
 
 

Arquivos

Categorias

Meta