Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

No pedal. 3 de junho, Dia Mundial da Bicicleta

Conheça um pouco a história de desenvolvimento desse veículo democrático, econômico, ecológico e eficiente.

No século XX, as bicicletas passaram a fazer parte do cotidiano, eventos e manifestações. Homens e mulheres passaram a utilizá-la para locomoção nas cidades.

Em uso há dois séculos, a bicicleta foi alçada a ter um dia mundial pela ONU em 2018, por ser um meio de transporte sustentável, simples, acessível, confiável, limpo e ambientalmente adequado, que promove a saúde pública e também a de cada indivíduos que a utiliza com regularidade. O dia escolhido foi 3 de junho para se comemorar as ‘bici” e “bikes”.

A bicicleta foi agraciada a ter tal data por ser, sim, um objeto, mas com enorme capacidade de promover o desenvolvimento sustentável, fortalecer a educação, inclusive a educação física, especialmente para crianças e jovens, promover saúde, prevenir doenças, promover a tolerância, compreender e respeitar o espaço de cada um e facilitar a inclusão social. A cultura de paz e da vida.

.

A história em imagens:

As bicicletas estão cada vez mais leves e sofisticadas, e seu uso está cada vez mais difundido. Não se trata apenas de um brinquedo infantil ou de um veículo desportivo. Muitas cidades têm sistemas públicos de aluguel por hora e trens que aceitam bicicletas para incentivar seu uso. No entanto, houve um tempo em que não era tão fácil vê-las pelas cidades. Elas até foram consideradas uma novidade tecnológica passageira.
Gravura que mostra a invenção de Von Drais em funcionamento

A bicicleta do barão alemão Karl von Drais, de 1817, é considerada a pioneira. Ele a batizou de “máquina corredora” (laufmaschine em alemão) e a imprensa a chamou de Draisine ou velocípede. Era feita de madeira e funcionava com o impulso dos pés. O objetivo de Von Drais era oferecer um meio de transporte mais barato e fácil de manter que os cavalos. O invento ganhou certa notoriedade, aponto de o poeta John Keats tê-lo chamado de “o nada do momento”, segundo o The New York Times.

A bicicleta fabricada por MacMillan em 1839. (Science & Society Picture Library)
 

A invenção da bicicleta de pedais é atribuída ao ferreiro escocês Kirkpatrick MacMillan, em 1839, apesar de seu modelo ter começado a ser fabricado pelo inglês Thomas McCall, 30 anos depois. Alguns historiadores duvidam que o invento possa ser creditado a MacMillan: não restam nem esboços nem modelos anteriores aos de McCall.

Uma ‘bone shaker’ fabricada na década de 1860
Os triciclos de roda alta eram um pouco mais seguros e foram fabricados pensando nas mulheres. (Getty Images)

Nos anos 1860, ficou popular o modelo vendido como velocípede, mas chamado bone shaker (“agita ossos”), por causa do que ocorria quando circulava por ruas de paralelepípedos. Os pedais ficavam na roda dianteira. Apesar de ser possível a existência de modelos anteriores, o fabricante de carrinhos de bebê Pierre Lallement foi o primeiro a patentear a bicicleta com pedais.

Assista a uma competição de bicicletas de roda alta, em 1928:

 

https://www.youtube.com/watch?time_continue=27&v=8HRpVV_x3N4
 
 

Em 1870, começa a ser produzida a bicicleta de roda alta, sendo um dos modelos mais conhecidos (e caros) a Ariel, de James Starley. Apesar de agora soar estranho, essas bicicletas era mais cômodas do que suas predecessoras, mas sua popularidade foi limitada porque “precisavam de um acrobata” para conduzi-las, segundo o site Ibike.

Trata-se da primeira bicicleta totalmente fabricada em metal, graças aos avanços da metalurgia para produzir peças leves e pequenas. As rodas eram cada vez maiores porque permitiam que se avançasse mais a cada pedalada. De fato, alguns modelos atingiam 40 quilômetros por hora. Como a segurança era um problema, também foram fabricados modelos com três ou quatro rodas.

A partir da década de 1880, surgem as chamadas “bicicletas de segurança”, exatamente porque diminuíam o risco de quedas em relação aos modelos anteriores. A primeira foi a Rover, obra do engenheiro J. K. Starkley. São bicicletas muito parecidas com as atuais, com duas rodas do mesmo tamanho e o quadro em forma de diamante. Em 1888, John Dunlop acrescentou as rodas com pneus, tornando os trajetos mais cômodos. E em 1889, o norte-americano Isaac R. Johnson patenteia a primeira bicicleta dobrável.

As bicicletas e as sufragistas

A partir dos anos 1890, as bicicletas começam a ser produzidas em larga escala. E as mulheres não só passam a usá-las cada vez mais como também fizeram do veículo “um símbolo de liberdade para o setor feminino, muitas vezes associando-o aos movimentos sufragistas”.
Esta fotografia é de 1898: com às ‘bicicletas de segurança’, que são praticamente como as contemporâneas, muitas mulheres começam a usar o veículo
A Roulette sociável, de 1899. Havia uma versão popular em forma de triciclo. A empresa faliu em 1901, por isso foram fabricados poucos exemplares

Os automóveis começam a ganhar espaço a partir dos anos 1920 e os fabricantes de bicicletas se dirigem a um novo público: as crianças. Segundo o Ibike, os modelos passam a ser cada vez mais ostentosos e chamativos, incluindo, na década de 1950, elementos de design que lembravam aviões e foguetes.

Um menino e seu avô em Seattle, em 1925 (Bettmann / Gettytimages)
Bicicleta com sidecar, em 1930
Fábrica de bicicletas, pós segunda guerra.
Muitas das técnicas desenvolvidas pelos fabricantes de bicicletas foram aplicadas mais tarde na indústria automotiva.

Com BHCiclo e El País

Arquivos

Categorias

Meta