O estudo da luta

Experiência do MST na produção ecológica de arroz vira livro.

A obra é fruto da Tese de Doutorado de Adalberto Martins, que integra a coordenação do setor de produção do MST. (Foto: Leandro Molina)

Intitulado “A produção ecológica do arroz e a Reforma Agrária Popular”, o novo livro da Editora Expressão Popular foi lançado no dia 15 de março, durante a 16ª Festa da Colheita do Arroz Agroecológico, no Rio Grande do Sul. O evento foi realizado no Assentamento Santa Rita de Cássia II, em Nova Santa Rita, na região Metropolitana de Porto Alegre. A obra é fruto da Tese de Doutorado de Adalberto Martins, que integra a coordenação do setor de produção do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) gaúcho.

Após a defesa do trabalho e aprovação com louvor em novembro de 2017, dirigentes do Movimento incentivaram a produção de um livro a partir da tese. A pesquisa centrou-se na investigação dos assentamentos da Reforma Agrária da região Metropolitana de Porto Alegre que produzem de forma agroecológica e que participam do Grupo Gestor do Arroz Agroecológico.

Para isso, Martins, mais conhecido como Pardal, participou de encontros, seminários, reuniões, dias de campo e capacitações. Também entrevistou lideranças do MST, diretores e técnicos das cooperativas e associações que participam do Grupo Gestor. O trabalho foi feito em assentamentos dos municípios de Nova Santa Rita, Eldorado do Sul, Charqueadas, Guaíba, Tapes, Viamão e São Jerônimo.

Veja como o MST se tornou o maior produtor de arroz orgânico do país.

Para Pardal, esse é um modo de divulgar a experiência dos assentados e suas produções ecológicas. “Talvez essa seja a maior importância do livro, ela é a expressão na forma de um material didático, de um trabalho acadêmico que dá suporte a uma prática social camponesa”, relata.

Livro divulga a experiência dos assentados e suas produções ecológicas.
(Foto: Maiara Rauber)

Para além disso, o livro traz a resistência ativa das famílias Sem Terra, pois, de acordo com Pardal, a forma com que a produção agroecológica se coloca nos espaços dos assentamentos não dá margem para a reprodução do agronegócio sem que ela se negue. isso porque o camponês assentado não só denuncia ou critica, mas afirma uma prática social, um outro caminho de produção.

Pardal ainda destaca que ao gerar essa prática social, as novas matrizes de produção tecnológica vinculam o MST ao futuro da humanidade, com a qualidade ético-político, proporcionada pela aplicação concreta da Reforma Agrária Popular.

Ao todo, 1500 exemplares do livro “A produção ecológica do arroz e a Reforma Agrária Popular”, com 231 páginas, estão em 150 pontos de vendas pelo Brasil, livrarias e distribuidoras parcerias. Em Porto Alegre, a obra pode ser encontrada na Cooperativa Central dos Assentamentos do Rio Grande do Sul (Coceargs) e na sede municipal do Partido dos Trabalhadores.

Além disso, está disponível na sede da Editora Expressão Popular, em São Paulo, e no site www.expressaopopular.com.br. Cada livro é vendido pelo preço do catálogo no valor de 30 reais. Quem mora em outros estados pode obter mais informações sobre a aquisição do livro no email vendas@expressaopopular.com.br

________________________________
Por Maiara Rauber / reproduzido da
Página MST

Arquivos

Categorias

Meta