O legado das deusas, uma crônica de Lisete Barbosa

Texto de Lisete Barbosa e Vídeo de Marcos Labanca

 

Há alguns meses o assunto foi mencionado. Em tempos de quarentena o que mais sobra é tempo para aquelas conversas despretensiosas de boteco, e para descontrair lembro do poeta Edgar Allan Poe em Linhas sobre a Cerveja: O que me importa o passar das horas? Hoje estou tomando cerveja. Entre idas e vindas do transito dos goles da cerveja fui pega de surpresa com uma sugestão muito criativa e desafiadora do equipado geminiano cervejeiro e fotógrafo que faz jus aos nascidos em maio com espírito de imensa criatividade, liberdade e independência.

A ideia criativa era criar um rótulo que homenageasse as mulheres e o desafio era que de uma vez por todas mergulhasse no mundo das cervejas artesanais e começar a fabricá-la. Pensei que seria uma oportunidade de mostrar as mulheres – além de grandes consumidoras da bebida – podem fazer a sua própria cerveja.

As mulheres sempre estiveram na história da cerveja. Há 4 mil anos os sumérios já tinham uma deusa da cerveja a Ninkasi. No Egito Antigo, as mulheres eram responsáveis pela produção de cerveja. Já na Idade Média, muitas europeias eram proprietárias e frequentadoras das tabernas. Mas esse é um assunto para a próxima rodada.

Voltamos ao desafio. Não precisou de muita insistência para que rapidamente o aceitasse. Afinal, em casa onde habita dois geminianos o que não falta é uma busca eterna por novos conhecimentos e aprendizados. Quanto ao estilo a ser fabricado não restava dúvidas. Aprendi a apreciar as cervejas com aromas em tons mais cítricos e florais, por coincidência foi  uma das primeiras cervejas  produzida pela Labanca Cervejaria de forma bem artesanal. Com essa breve descrição acredito que alguns já perceberam que se trata da American Pale Ale (APA).

Até que no dia 20 de junho em pleno solstício de inverno o projeto de colocar a mão na massa e fabricar a APA se efetivou.   E aí vocês me perguntam: como foi essa experiência em fabricar algo tão especial, que a 4 mil anos foi inventada pelas mulheres? Só sei que descobri outra paixão, além da poesia. E posso dizer que é só o começo de uma aventura entre sabores inesperados.

Para quem desejar provar essa bebida artesanal das deusas – que alguns acreditam ser elitista por ser feita com produtos importados, vale lembrar que a cerveja é a bebida mais popular do mundo- vai encontrar as cervejas artesanais além dessa APA na Labanca Cervejaria visitando as nossas redes sociais e realizando seu pedido que faremos a entrega. Aí é só gelar e apreciar, Saúde!
#bebamenosbebamelhor #cervejafeitaporelas #bebanoestilo

Lisete é economista, mestranda em Economia Política na UNILA. Poetisa e juntamente com Marcos Labanca idealizadora da Labanca Cervejaria, em foz do iguaçu, pr.

Arquivos

Categorias

Meta