Paraná quer iniciar testes da vacina russa Sputnik em outubro

Protocolo da fase 3 de estudos clínicos do imunizante será encaminhado para avaliação da Anvisa, conforme o Tecpar. Previsão é testar em 10 mil voluntários.

A vacina russa Sputnik (Foto: divulgação)

Até outubro, o protocolo referente a estudos clínicos da vacina russa contra o novo coronavírus deverá ser enviado para análise da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Se aprovado, em 45 dias poderá ter início a testagem, em dez mil voluntários, da eficácia do imunizante.

Esse é o calendário que o governo estadual pretende cumprir em busca de uma vacina preventiva à covid-19. O cronograma integrou a pauta de reuniões entre o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Casa Civil do Paraná, Anvisa e Embaixada Russa no Brasil, nessa quinta-feira, 27, em Brasília (DF).

Conforme o presidente do Tecpar, Jorge Callado, o governo quer agilizar o processo de aprovação dos testes pelos órgãos regulatórios do país. A validação dos estudos clínicos é o primeiro passo para a adoção da vacina.

Com base em informações do Tecpar, a Agência Estadual de Notícias veiculou que o laboratório da Rússia já forneceu as informações sobre a vacina. Esses dados são protegidos pelo termo de confidencialidade que envolve o acordo para a viabilização do produto.

“Todas essas informações serão submetidas à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e à Anvisa”, disse o presidente do Tecpar, Jorge Callado, à AEN.

A previsão inicial é a de que dez mil voluntários, prioritariamente profissionais da saúde, integrem o processo de testagem. “O número final só será definido após a conclusão do protocolo de validação”, informou a AEN.

No dia 12 de agosto, o Governo do Paraná firmou um memorando de entendimento com o Fundo de Investimento Direto da Rússia para ampliar a cooperação técnica sobre a vacina contra a covid-19. O medicamento é desenvolvido pelo Instituto Gamaleya.

Feito isso, o Tecpar e o instituto russo firmaram termo de confidencialidade e iniciaram a troca informações e elaboração do protocolo de validação da vacina. Passada essa primeira etapa de todo o processo, as fases seguintes são os testes, o registro e a produção do imunizante no Paraná.

Vacina russa

Na Rússia, os testes da fase 3 da vacina chamada de Sputnik 5 começarão a ser aplicados no início de setembro. A intenção do governo russo é imunizar 40 mil voluntários. O produto é intramuscular administrado em duas doses. A segunda deve ser aplicada 21 dias após a primeira. As informações são da Agência Brasil.

H2FOZ – Paulo Bogler