Pedacito de Cielo, um poema de Andrea Palmar

pedacito de cielo

 

durante a estiagem,
as águas ficaram sem forças,
as do Riacho Caseiro
com alma de mar.
sem energia para atravessar
um obstáculo.
separou-se em duas partes.
depois de um par de dias,
a Chuva Prateada, apareceu.
transbordou o seu esperado líquido,
sob o Jardim Contador de Histórias.
O Riacho Caseiro, ficou excitado,
desconcentrado com a sutileza
da beleza de sua chegada.
seus líquidos ganharam forças,
passaram o obstáculo.
jorrou uma cascata de desejo.
As partes divididas, estão legitimamente uno, outra vez.

Andrea Palmar é poeta e microempresária em Assunção, PY.

Arquivos

Categorias

Meta