Plantação

–  Um poema e uma fotografia de Manatit  –

“Plantação”, foto de Manatit

 
 
Esperar a chuva como quem espera o fim da tarde
Ouvir o farfalhar das folhas do cajueiro
A agonia dos buritis com o vento cintilando
O assovio de quem se entrega por inteiro
A devida atenção às maravilhas
que dependem de nossa consciência
O galo canta, o passarinho dança, este momento.
Os desenhos que descolam das paredes.
Todos aqueles que lutaram por igualdade foram presos.
Muita água que cai que vem que vai.
Esse poema durou o dia inteiro.
Os lençóis quentes de suor.
Um fogo que nos mantém acesos.
A rede que acolhe e que balança.
A mandioca que sustenta a labuta.
A Damurida que expele pelos poros,
toda sujeira, toda tristeza, toda feiura,
destranca as vias, as veias, a voz.
(*) damurida – prato indígena, que tem entre seus ingredientes peixe e pimenta. Muito apreciado em Roraima
_______________________________________
Manatit é agente cultural nos arredores de Boa Vista, Roraima.
Participa do Coletivo EcoaEcoa de educomunicação e vivência. Colabora com a revista Escrita.