Poema da quarentena, de Ian Vargas

O poema foi publicado originalmente
na seção “Lugar de Fala’, da revista Cult, em abril de 2020.

Imagem: Pixabay

.

Do lado de fora, a peste que impera
Lado de dentro, a espera
Tempo sem contato, sem tato
Dias de imprevisão, de reflexão

Há temor, há dor, há amor, há adaptação
Tem os pensantes, tem os ignorantes
Os que lutam nos hospitais, nos leitos limitados
Médicos, enfermeiros e doentes afetados

Em algum lugar alguém tá doando uma cesta básica
Em outro uma voz amiga mandando uma mensagem de passagem
Há os indiferentes, há os solidários e os solitários

Tempo de ler, ver um filme, escrever
Para a quarentena, serenidade e mente plena
Para as noites no lar, o poema.

Ian Vargas, 28, é advogado em Foz do Iguaçu, PR