Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Quando Irene foi de bicicleta ver os “Saltos”

Da esq, Norita, Bibiana e Irene. Passeio às Cataratas do lado brasileiro nos anos 40. (Foto: família Vera)
.
“La vida no es la que uno vivió sino la que uno
recuerda y cómo la recuerda para contarla” (García Márquez)
.
– Por Vicente Ávalos – 

Uma foto. Três mulheres, três bicicletas e lá bem ao fundo as quedas d’água na ferradura de basalto mais famosa do mundo. No caso de Irene, a história de um passeio ao Parque Nacional pra ver “os Saltos” – que era o jeito de como o povo do lugar se referia às Cataratas no início do século passado – é tão antiga que já virou saudade.

A pequena foto, meio apagada e de autoria indefinida, serve como alicerce para lembrar bons momentos de esforço e amizade numa ida às Cataratas de bicicleta. Isto foi há quase 80 anos. A iguaçuense Irene, prestes a completar 98, contou miúdo sobre o feito realizado junto com as amigas Bibiana Rolón e Norita Flores.

“Não foi tão difícil nem tão demorado”, lembra. Naquele dia, o trio se embrenhou a fazer estrada numa aventura logo de manhã. Haviam conseguido bicicletas emprestadas dias antes. Saíram bem cedo, acompanhando o nascer do sol. No pouco que lembra da façanha, foram algumas horas de pedalada, numa trilha com pedras e buracos pra vencer. De carga, só umas laranjas pra comer. “Água pra tomar se tinha de sobra no trajeto e lá no Iguaçu”, ela ri.

Da visita em si, lembra da exuberância das quedas e seu som que “não dá pra esquecer” e do perigo “pra se andar entre as pedras se agarrando ao barranco e a folhagem da beira do rio”. Outra lembrança marcante, conta Irene, é a do túnel de bambus que se entrelaçavam por cima da picada, anunciando o espetáculo final. “Os bambus eram tão fechados que quase não se via o sol através deles. Fresquinho que era atravessar pela sombra. E de longe já se podia escutar as águas.” Parar pra descansar no bambuzal? Nem pensar. O perigo de cobras era muito grande. E os mosquitos? Também não era coisa pra se desprezar, comenta com o lampejo que vai buscar na memória enquanto descreve o nevoeiro e o arco-íris na frente do salto principal.

Antes de visitar o lado brasileiro, o trio já tinha estado nas Cataratas pelo outro lado da fronteira. Irene conta que Bibiana, a mais velha das três, já era casada na época. E que o marido, argentino, ajudou na organização daquele passeio. “Ele conseguiu as bicicletas, me lembro. Mas no dia, atravessamos o Iguaçu de canoa, pegamos as bicicletas e fomos. Só as mulheres. A Bibiana era casada mas não tinha filhos. Era muito amiga minha e da Norita, que ainda éramos solteiras. Podíamos fazer esses passeios.”

Cataratas do Iguaçu. Há tantas formas de se contar do amor da gente da fronteira por esse lugar. E as histórias que se apresentam mais bonitas, ainda que comuns, são aquelas motivadas por um trajeto duradouro de emoções. Indeléveis, acima do tempo e do roer do esquecimento, elas permanecem trafegando num circuito entre a retina, os ouvidos e o cérebro de quem esteve, viu, transviu.  E assim, num breve relato filtrado durante uma partida matinal de dominó, Irene Vera Campana relembrou e compartiu esta, que é só sua.

Vicente Ávalos gosta de histórias que não tenham nenhuma pretensão de virar parte da História, mas que valham a pena contar. Colaboração de Silvio Campana.

 

 

 

 

 

 

Arquivos

Categorias

Meta