Serra da Venturosa

  –  Um conto de Aluízio Palmar  –

Meteu a alça do embornal na cabeça do arreio, fincou o pé no estribo e tocou.
Ainda havia uns semitons escuros de nuvens preguiçosas emperradas no céu da Serra da Venturosa.
Vestígio da chuva que amainara de repente, como de pronto viera.
Minguando, minguando, ia desaparecendo o chuá volumoso da enxurrada que se desmantelava, perdendo aos piparotes a  sua impetuosidade. Miríades de folhinhas humildes se desfaziam em cristais brilhantes. Num ipê debulhado em ouro, os corvos negríssimos nele pousados escancaravam o par de asas. Aqui e ali, o vento fresco enxugava as folhas verdes das árvores que deitavam pingos d´água no chão. A natureza inteirinha se renova em trabalho. Num rasguinho de estrada, pedaço do varzedo,  ia ele trotando a passos largos numa mula firme e aguentadeira. Cigarro de palha a fumegar no canto da boca, olhos pregados na estrada e a cabeça baforando cismas.
Passo lerdo, força dobrada, a mula ia vencendo a  Venturosa, morro bastante espigado. Nasce pouco baixo, manso de início, vai pouco a pouco se empinando. Morro cheio de pedras num trecho, sombrio e úmido noutro. Espicaça-se aqui, tortuoso à frente. Vai indo até que se perde num espigão.
Um pouco liso, de quando em quando um escorregão da mula, seguido de um upa! Ganha o alto e toca a descer em seguida. Desce um bocadinho, toma de um atalho e entra por uma porteira a dentro. Segue por uma trilha até que alcança o cocho protegido por duas toras de madeira, onde cinco bois carreiros pastavam a relva molhada.
Apeia, toma do embornal na cabeça do arreio, desfaz-lhe o nó da boca e despeja o sal que continha no cocho de pau. Esparrama o sal, chama os bois, monta novamente com a mula de volta, luz difusa, sol escondido, pisado pela noite que vem.
 

Notas de edição:
1 – A Serra da Venturosa está localizada no município de São Fidélis, norte do Estado do Rio de Janeiro, terra natal do autor.
2 –  A ilustração data de 1958, criada pelo próprio autor, para uma possível publicação do conto. Reprodução do original desenhado a caneta esferográfica em folha de caderno pautada.

________________________________________
Aluízio Palmar é escritor e jornalista em Foz do Iguaçu. Conto publicado originalmente na revista Escrita, edição 48
 
 

Arquivos

Categorias

Meta