Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Sócrates: futebol e liberdade

Eterno ídolo do Corinthians, o “doutor” completaria 67 anos nesta sexta (19)
O craque corintiano comemorava os gols com os punhos cerrados para lembrar os “Panteras Negras”

 

 “Descobri que, jogando futebol, eu posso ser intermediário das aspirações e angústias de milhares de pessoas que se identificam comigo, que me veem como um guerreiro de sua luta.”
(Sócrates, craque da bola e voz politizada pedindo a redemocratização do país)

 

O Corinthians comemora nesta sexta-feira (19) o aniversário de nascimento de um dos maiores ídolos da sua história. Sócrates, um dos idealizadores do maior movimento de atletas de um clube fora do campo, e além disso, jogador de técnica e habilidade ímpares, completaria 67 anos de idade nesta sexta-feira.

Natural de Belém-PA, Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira foi o líder intelectual da Democracia Corinthiana, movimento democrático do início dos anos 1980, chegou ao Timão ainda em 1978, com 24 anos. Curiosamente, ele era médico recém-formado, após se destacar pelo Botafogo-SP – onde mantinha a carreira como atleta e os estudos na medicina.

Seu futebol se caracterizava pela habilidade, inteligência e toques de calcanhar. Dentro de campo, era destaque com gols decisivos e um futebol cerebral. Fora dele, se destacava reivindicando maior liberdade e participação para os atletas nas decisões relacionadas ao elenco, comissão técnica e demais funcionários do futebol corintiano. Para o país, a volta das “Diretas, Já!”

Leia também: https://guata.com.br/vai-curintia/

Em sete anos de Corinthians, Sócrates vestiu a camisa alvinegra em 298 oportunidades, tendo marcado 172 gols. Conquistou o Campeonato Paulista em três oportunidades: 1979, 1982 e 1983. Ele cunhou uma das mais icônicas frases sobre o sentimento de ser corintiano: “O Corinthians não é só um time e uma torcida, é um estado de espírito”. Lutando contra problemas de saúde, o eterno ídolo do Corinthians faleceu da forma que queria: em um dia onde o Timão fosse campeão. Ele nos deixou no dia 4 de dezembro de 2011, data em que o clube conquistou o pentacampeonato do Brasileirão, e que rendeu uma homenagem dos atletas corintianos antes da bola rolar.

 

“Quando eu era jogador, minhas pernas amplificavam minha voz. Se as pessoas não tiverem o poder de dizer as coisas, eu vou dizer por elas.”
(Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira)

 

De UOL e El País

Arquivos

Categorias

Meta