Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Taxação de riqueza poderia cobrir “orçamento de guerra” no País

Em entrevista, o professor Paulo Feldmann, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, afirma ainda sobre a necessidade da discussão e o envolvimento do Congresso para proteger os trabalhadores brasileiros e as famílias mais pobres

Mais de 12 milhões de desempregados no país se juntam a outros milhões sem formalidade nenhuma no mercado de trabalho – Foto: Divulgação/IBGE

Após 48 horas de aprovação pelo Senado Federal, o presidente Jair Bolsonaro finalmente sancionou o auxílio de R$ 600 para trabalhadores informais, desempregados e MEIs (microempreendedores individuais). Atendendo até duas pessoas por família, mães que forem responsáveis pelo sustento familiar poderão receber R$ 1.200. O total estimado para o chamado “coronavoucher” é de aproximadamente R$ 100 bilhões, viabilizado por Medida Provisória (MP) editada. A MP permitirá a utilização desse crédito extraordinário para pagamentos que beneficiarão em torno de 55 milhões de brasileiros.

Mas de onde virão os recursos desse auxílio? Quem nos ajuda a entender isso é o professor Paulo Feldmann, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP em entrevista ao Jornal da USP no Ar. “De onde sairá esse dinheiro e os de gastos futuros? Vamos ter que fazer uma mudança na reforma tributária do País, em discussão no Congresso, sendo necessário ter imposto nas grandes riquezas. É a única forma de tapar esse buraco lá na frente: chegou a hora de os ricos contribuírem”, recomenda Feldmann.

O professor diz que é positiva a discussão e o envolvimento do Congresso com medidas para proteger os trabalhadores brasileiros e as famílias mais pobres. Até mesmo o governo federal está mais alinhado e preocupado com essa necessidade de reparação social para evitar uma crise maior, diferente de outros atores. “O que deveria estar acontecendo, e não está, é que os bancos privados não estão contribuindo, pelo contrário, ouve-se falar que está havendo uma diminuição do crédito”, lamenta.

A disponibilização de crédito como o do “coronavoucher” é um esforço feito por diversos países do mundo. O presidente dos EUA, Donald Trump, apresentou na semana passada pacote de US$ 2 trilhões, cerca de 10% do seu PIB (Produto Interno Bruto), para aliviar os efeitos do coronavírus na economia americana. Paulo Feldmann explica que é inevitável ajudar as pessoas, ainda mais neste momento.

No Brasil, o próprio bolsa família é feito em cadastro e já possui uma boa base de dados para a disponibilização do benefício. Portanto, não será difícil o cadastramento rápido de quem vai receber o auxílio sancionado, mesmo que já não seja contemplado pelo programa citado. “Somos um exemplo mundial de País bem informatizado em diversas áreas”, lembra o economista, que cita a Receita Federal brasileira e o sistema eleitoral como sendo um dos mais eficientes do globo.

Ainda em relação a gastos que são urgentes neste momento, a adoção de medidas que permitam a compra de equipamentos e ajustes na infraestrutura hospitalar serve para evitar o agravamento da crise. “Felizmente somos uma democracia e podemos discutir o que é feito aqui, apesar de retardar um pouco o encaminhamento de soluções.”

Ouça a entrevista completa no player acima.

Transcrito da página do Jornal da USP

 

Arquivos

Categorias

Meta