“Testamento” e “Equívocos”, de Pedro Casaldáliga

Poemas de Dom Casaldáliga

TESTAMENTO

Enterrem-me no rio,
Perto de uma garça branca.
O resto já será meu.
E aquela correnteza franca

Que eu, passando, pedia,
Será pátria recuperada.
O êxito do fracasso.
A graça da chegada.

A sombra-em-cruz da vida
Sob este sol de verdade
Tem a exata medida

Da paz de um homem morto…
E o tempo é eternidade
E toda a rota é porto!

EQUÍVOCOS

Onde tu dizes lei,
Eu digo Deus.
Onde tu dizes paz, justiça, amor,
Eu digo Deus!

Onde tu dizes Deus,
Eu digo liberdade,
Justiça,
Amor!

Dom Pedro Casaldáliga (1928), ex-bispo católico da Prelazia de São Félix do Araguaia (MT). Ativista dos Movimentos pelos Direitos Humanos na Amazônia. Catalão, residente e mobilizado pelas causas populares no Brasil desde 1968.