Vai ter luta?

  –  Reforma do Ensino Médio é aprovada no Senado. Anunciada por Temer em setembro, Medida Provisória passou pela Câmara no final do ano (Texto extraído de “El País)  –

Movimento de estudantes, pais e professores contra a PEC 241, em Foz do Iguaçu no ano de 2016. (Foto: APP)

O Senado aprovou nesta quarta-feira, por 43 votos a 13, a Medida Provisória que institui a reforma do Ensino Médio. Anunciada pelo presidente Michel Temer às pressas em setembro do ano passado, a reforma passou nesta quarta-feira pela última votação, após ter sido aprovada na Câmara no final do ano passado e provocar uma onda de ocupações nas escolas de estudantes que cobravam debate sobre as mudanças.
A maior mudança será a flexibilidade do currículo: 60% da grade curricular será composta de disciplinas obrigatórias e 40% serão optativas. Ou seja, no meio do curso, o estudante terá que escolher uma das cinco áreas para se especializar: linguagem e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e sociais aplicadas ou formação técnica profissional. Para toda a rede, a carga horária aumentará, gradativamente, das atuais 800 horas anuais para 1.400 horas.
Além disso, a escola não será mais obrigada a oferecer as disciplinas de artes e educação física, restringindo essa obrigatoriedade somente ao ensino infantil. Somente português e matemática serão obrigatórios nos três anos. As demais disciplinas dependem das opções do estudante e da grade curricular oferecida pelo Estado. Por exemplo, inglês, disciplina que a escola ainda será obrigada a ofertar, pode ser cursada somente no primeiro ano. Fica facultativo oferecer uma segunda língua. Outra mudança é que os conteúdos cursados no Ensino Médio poderão ser aprovados na Universidade. (…) Leia a sequência da reportagem, clicando aqui.
Leia também a opinião: “Reforma no Ensino Médio: mais um golpe contra a juventude e os trabalhadores”.
Leia também: Educadores e estudantes protestam em seminário do governo
Leia também: Uma escola para ricos, outra escola para pobres

Guatá e conteúdos extraídos de El País/Poder Popular/Núcleo APP

Arquivos

Categorias

Meta