Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

Zika Zero

Em Foz, laboratório identificará aedes
contaminado em 45 minutos

laboratorio zika
Itaipu Binacional e Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu firmam acordo de cooperação que tornará realidade o laboratório. Foto: Itaipu

Foz do Iguaçu (PR), na fronteira do Brasil com a Argentina e o Paraguai, vai ganhar um laboratório de biologia molecular que será capaz de identificar, em apenas 45 minutos, se mosquitos Aedes aegypti estão infectados com o vírus de doenças como a dengue, a zika e a febre chikungunya.
Hoje, quando capturados pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) do município, esses insetos têm de ser enviados para a Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, e os resultados demoram de seis a nove meses para ficarem prontos.
Com o laboratório, que integrará o futuro Centro de Medicina Tropical da Tríplice Fronteira, a prefeitura poderá desencadear ações de prevenção em áreas de risco em apenas 24 ou 48 horas após a captura, evitando que o mosquito contaminado transmita a doença.
“Não precisaremos ter doentes na cidade para identificar onde o vírus da dengue está circulando. Será uma ação de prevenção muito mais efetiva”, afirmou a médica Flávia Trench, infectologista do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC) e professora do curso de Medicina da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila).
O anúncio do Centro de Medicina Tropical e do laboratório de biologia molecular foi feito nesta quinta-feira (18), na usina hidrelétrica de Itaipu, durante a assinatura de um acordo de cooperação entre a própria Itaipu, a prefeitura de Foz e a Fundação de Saúde Itaiguapy, que administra o HMCC.
Participaram da solenidade o prefeito de Foz do Iguaçu, Reni Pereira; o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek; a diretora financeira executiva, Margaret Groff; e o diretor-superintendente da Fundação Itaiguapy, Rogério Soares Böhm – entre outras autoridades.
O novo centro vai funcionar em um imóvel localizado na Avenida Araucária (Vila A) e a expectativa é que entre em operação em cinco ou seis meses. O investimento para a compra de equipamentos e kits de testes será de aproximadamente R$ 2 milhões. “Os recursos estão garantidos e vamos iniciar [as obras] imediatamente”, afirmou Margaret Groff.
Jorge Samek destacou que o projeto mobilizou diversas entidades do município e o resultado será “blindar a região e ganhar essa guerra” contra o mosquito da dengue. “Onde está a chave do processo? É fazer a pesquisa no mosquito. O exame não precisará mais ser feito na pessoa. Vamos trabalhar com antecedência, fazendo a prevenção”, disse.
Reni Pereira lembrou que o município já comprou e distribuiu pela cidade milhares de armadilhas para capturar o Aedes aegypti. Com o laboratório, será possível rapidamente identificar e fazer o bloqueio das áreas de risco. “Essa tecnologia vai permitir que a gente, de fato, erradique a dengue”, avaliou.
A gestora do Grupo de Trabalho Itaipu-Saúde (GT Itaipu-Saúde), Luciana Sartori, lembrou que a região de fronteira é um território atípico, que requer atenção especial. “O que acontece em um lugar, reflete no outro e, às vezes, no mundo inteiro”, salientou.
Segundo ela, o laboratório de biologia molecular vai reforçar as ações desenvolvidas pelo GT Itaipu-Saúde, como o sistema de indicadores de saúde na tríplice fronteira, em fase de conclusão, e um sistema de geoprocessamento, em parceria com o CCZ. “Essa iniciativa confirma que gestão inteligente não é combater, é prevenir. Chega de ser refém de mecanismos que não avançam e que comprometem a saúde não só minha, mas de todo o mundo.”
Flávia Trench comentou que no Brasil existem apenas outros dois laboratórios com a mesma metodologia – a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, e o Instituto Evandro Chagas, no Pará. “Aqui [em Foz], no entanto, o nosso foco será mais atrelado ao serviço local. Por isso, com essa agilidade e essa praticidade, eu acredito que será um trabalho único”, comentou.
De acordo com a médica, um dos benefícios do centro será evitar a dispersão desnecessária de inseticidas no meio ambiente. Além disso, o laboratório poderá ser usado para identificar causadores de outras doenças, como a leishmaniose visceral e a malária, e também em estudos em animais e seres humanos.
“Será uma revolução em termos de prevenção e de possibilidade de pesquisas. Poderemos produzir novas tecnologias e transformar Foz do Iguaçu em um polo de pesquisa, produção e conhecimento, com impacto muito grande na saúde da população”, concluiu.


(Itaipu)

Arquivos

Categorias

Meta